Corpo de Marisa Letícia é velado em São Bernardo

O velório da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva teve início por volta de 9h deste sábado (04) e segue até as 15h no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. O corpo é primeiro velado em cerimônia particular. Mais tarde, o velório será aberto ao público e aos jornalistas.

destaque-392728-marisa1

O corpo de Marisa será cremado após ser velado, em cerimônia particular que será realizada no cemitério Jardim da Colina, na mesma cidade. A morte da esposa do ex-presidente Lula foi confirmada pelos médicos do Sírio-Libanês , às 18h57 da última sexta-feira (3).

Marisa, de 66 anos, estava internada no hospital desde o dia 24 de janeiro, depois de sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico. Lula chegou ao local do velório 20 minutos antes do corpo.

Nesta sexta, a ex-primeira-dama passou por um protocolo de averiguação de morte cerebral ao meio-dia. Havia a previsão de que nova avaliação fosse feita às 18h. No entanto, o hospital não confirmou se o procedimento chegou a ser realizado. No fim da tarde, o padre Júlio Lancellotti ministrou a ritual de extrema unção à ex-primeira-dama.

Trajetória

A ex-primeira-dama nasceu em São Bernardo do Campo, em 1950. Figura discreta ao lado do marido, começou a trabalhar aos 9 anos como babá na casa de um sobrinho do pintor Cândido Portinari. Cresceu em uma família de 11 irmãos e casou-se aos 19 anos com o taxista Marcos Cláudio da Silva. Três meses depois e grávida do primeiro filho, ficou viúva depois que o marido foi assassinado durante um assalto.

Em 1973, conheceu Lula no Sindicato dos Metalúrgicos e se casaram sete meses depois. Com o petista, teve três filhos. Também compõem a família Marcos, filho do primeiro marido, e a enteada Lurian, filha de outro relacionamento de Lula. Ela esteve ao lado do ex-presidente durante sua ascensão política, desde os tempos de sindicato, passando pela fundação do PT – que ajudou a criar – até a Presidência da República, em 2003.

Durante os oito anos em que esteve no Palácio da Alvorada, não encabeçou projetos sociais, função comum às primeiras-damas anteriores, e deixava os holofotes para o marido. Entretanto, durante as campanhas presidenciais de Lula, participava de comícios, passeatas e outros compromissos.

(Com informações da Agência Brasil)