Assis Brasil e Epitaciolândia recebem R$ 7,5 milhões

Com uma economia de base diversificada, o Acre caminha no desenvolvimento sustentável social e ambiental. Em seu sétimo ano de gestão, o governador Tião Viana e equipe continuam a apresentar novos investimentos para a consolidação desse modelo econômico.

Foto: Arison Jardim/Secom

Hoje, em Assis Brasil e Epitaciolândia, foram apresentados os Planos Agrícolas para cada município, somando um valor de R$ 7,5 milhões para mais de 1.400 famílias da agricultura familiar.

“A curva da produção rural do Acre é crescente, mostra muita mudança e nossa evolução. O estado tinha em 2010 um PIB [Produto Interno Bruto] de R$ 8 bilhões, em 2014 a riqueza era de R$ 13 bilhões”, afirma o governador, apresentando dados que provam a viabilidade deste modelo de conservar e produzir.

O Plano Agrícola se torna um instrumento de gestão para orientar os investimentos do governo em cada cidade. Para o Alto Acre, estão sendo focadas ações nas cadeias produtivas da borracha, castanha, fruticultura, suinocultura, avicultura, além de mecanização para diversas outras áreas.

Esse planejamento é construído pelas secretarias de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e de Agropecuária (Seap).

Somando os valores apresentados hoje aos anunciados no mês passado em Xapuri e Brasileia, a região terá quase R$ 19 milhões só para agricultura familiar. Em todo o estado, o governo irá aplicar R$ 137 milhões, que vão fortalecer as ações já iniciadas.

Na oportunidade, foi anunciada também a benfeitoria de 37 km do ramal do Icuriã, em Assis Brasil. Um investimento de mais de R$ 370 mil, que será executado pelo Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, Hidrovias e Infraestrutura do Acre (Deracre).

“Estamos falando, com esses investimentos, em uma expectativa da melhoria da nossa prosperidade. Enxergamos aqui uma possibilidade de melhorar o caminho e superar as barreiras da vida”, afirmou o governador, convidando todos os produtores a acreditarem na força dos produtos locais.

Economia do Alto Acre

Exemplos disso são as cadeias produtivas da borracha, castanha e suinocultura que começam a ganhar mercado.

Em Assis Brasil um grupo de 315 famílias extrativistas comercializam, há 13 anos consecutivos, a Folha Defumada Líquida (FDL), subproduto do látex, com a empresa francesa de calçados Veja (Vert no Brasil).

“Se você somar a renda da castanha com a FDL, o extrativista pode chegar a ter mensalmente um ganho de R$ 1.500. E agora temos mais 74 famílias aptas a realizarem planos de manejo em suas áreas, mais uma renda para os moradores da floresta”, relatou José de Araújo, presidente da Associação Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes (Amopreab).

Os investimentos anunciados hoje vão fomentar e dar mais estrutura para programas que visam esse mercado, como o Florestas Plantadas. Entre frutíferas e seringueiras, vão ser plantadas mais de 240 mil mudas.

“Eu sinto orgulho em dizer que tenho três hectares de seringueiras dentro de minha propriedade, fruto de uma política voltada para o homem do campo”, afirma Izaías Flores, da comunidade Iracema, em Assis Brasil.

Izaías explica que “investimento na agricultura familiar se torna um dos mais importantes dentro de uma gestão pública, pois garante que haja oportunidade no campo e corta a necessidade de migrar para a cidade, onde nem sempre há estrutura para acolher a todos”.

Apoio parlamentar

Mostrando a importância desse planejamento de governo e das parcerias que são feitas para executá-las, as agendas foram acompanhadas de perto por parlamentares estaduais e federais.

César Messias, Leo de Brito, deputados federais; Leila Galvão, Lourival Marques, Daniel Zen, Manoel Morais e Maria Antônia, deputados estaduais, estiveram presentes.

“Se esses investimentos não forem feitos na agricultura, chegará um dia que não poderemos vir aqui anunciar novos recursos na educação, saúde e segurança. Pois quando se investe no produtor, ele faz a economia girar e assim aumentar nossas riquezas”, afirmou Daniel Zen, líder do governo na Assembleia.

“Tião Viana acredita no produtor rural. Diversificar a produção é a economia do futuro, pois conserva a natureza e faz rodar a economia do estado”, afirmou o deputado federal Leo de Brito.