Mais de 51 mil pessoas já foram alfabetizadas pelo Quero Ler desde 2016

Ao interpretar os dados, verifica-se que a pesquisa feita pelo IBGE tem como referência os anos anteriores à criação do Quero Ler no Acre (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O Quero Ler, maior programa de alfabetização da Região Norte, está fora do contexto da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) sobre o analfabetismo no Acre. É o que revela a Secretaria de Estado de Educação e Esporte, com base nos próprios números do programa e no período que foi feito o levantamento da PNAD pelo IBGE.

Ao analisar os dados, verifica-se que a pesquisa feita pelo IBGE tem como referência os anos anteriores à existência do Quero Ler no Acre. Os pesquisadores do IBGE levaram em conta o ano de 2016 para tabular os dados em 2017.

Ocorre que o Quero Ler começou apenas em 2016, e, no seu início, em apenas quatro municípios.

“Por isso, a PNAD divulgada agora não reflete a atual situação da alfabetização no estado, uma vez que as primeiras etapas do Quero Ler ganharam volume mesmo somente em 2017”, revela o secretário-adjunto de Educação, Evaldo Viana, um dos coordenadores do programa.

Como as principais etapas do Quero Ler tiveram início somente a partir do segundo semestre de 2017, esse período não foi incluído no levantamento do IBGE.

Ainda conforme Evaldo Viana, “os dados [do IBGE] foram extraídos desde uma amostra probabilística, utilizando informações gerais e que levam em consideração o ritmo regular e esperado da queda do analfabetismo, para obtenção dos números”.

Mais de 50 mil jovens e adultos foram alfabetizados nos 22 municípios acreanos (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

“Portanto, eles seriam fieis apenas quando for realizado o Censo em 2020 – algo que também não será possível, justamente porque o Quero Ler está terminando este ano, com a redução de 13% para 4% na taxa de analfabetismo”, explica Viana.

A maior prova de que o Acre está muito à frente do que diz o IBGE, numa pesquisa que teve como referência dados anteriores ao Quero Ler, é que em vários municípios o analfabetismo já foi erradicado em 2017.

Nos 22 municípios acreanos já foram alfabetizados 51 mil jovens e adultos que se inscreveram no programa. E até o fim deste ano, eles chegarão a 60 mil alfabetizados, o que vai conferir ao Acre o posto de estado livre de um problema social.

A ousadia do governador Tião Viana de erradicar o analfabetismo no estado tem como foco o futuro, com um Acre livre da escuridão e pleno do letramento de sua população.

A meta do Quero Ler é reduzir o índice de analfabetismo de 13,1% para 4% da população, de 2016 a 2018. Serão 60.282 jovens, adultos e idosos a partir dos 15 anos de idade até o fim deste ano. Desse total, 32.387 (53,72%) são da zona rural e os outros 27.895 (46,28%), da zona urbana.