Envira e Feijó querem estrada para facilitar transporte e comércio

O município de Envira, no Amazonas, que faz fronteira com o Acre próximo de Feijó quer sair do isolamento com uma ligação permanente, via terrestre, com a cidade acreana. Hoje, o tráfego só se faz via aérea, em um voo de pelo menos 30 minutos e prejudica negócios e contatos entre os municípios. Isolada da capital Manaus. Envira, no rio Jurupari, acredita que a ligação com o Acre é a forma de oferecer melhores condições de vida e mobilidade para seus moradores.

O prefeito Ivan Ratz, em segundo mandato, desde 2013 providenciou um ramal bem construído que vai da sede do município até a fronteira com o Acre, totalizando 35 km, com pontes de madeira resistentes, algumas com até 23 metros. Fez podia fazer. Faltam cerca de 13 km em território acreano, para que a ligação possa ser completada. Do lado amazonense, a estrada tem seis metros de largura e está bem conservada. Do lado acreano, nada existe, a não ser uma trilha que, no ano passada, foi percorrida de quadriciclos, provando que a ligação é possível e desejada.

O governo do Acre tem interesse na estrada e já mobilizou equipe para estudar condições de engenharia e ambientais para a realização da obra, mas ainda não há recursos financeiros e orçamentários para a empreitada.

Para a população de Envira e de Feijó, a estrada pode ser prioritária, pois trata-se de mais uma fonte de escoamento da produção de Feijó, especialmente o açaí e para Envira uma possibilidade de facilitar o abastecimento local, bem como o acesso a serviços médicos e educacionais, que o lado acreano pode oferecer.

O refeito do Envira está tentando manter contatos estratégicos com o Acre nesse sentido e a população dessa cidade e de Feijó podem se beneficiar desse esforço para sair do isolamento e vencer a distância.