Servidores aprovam greve por tempo indeterminado

Os servidores da Eletrobras Distribuição Acre deram início a paralisação das atividades por 72 horas, na segunda-feira, 11, em protesto contra a privatização da estatal. Apenas os serviços emergenciais estão mantidos até o final da greve na quinta-feira, 14.

Caso o governo federal mantenha a decisão de privatizar a estatal, os servidores do Acre votaram a favor de um greve por tempo indeterminado a partir do dia 25.

Com a venda da empresa são estimadas mais de 1.2 mil demissões, de acordo com o secretário-geral do Sindicato dos Urbanitários do Acre, Marcelo Jucá. Além de Rio Branco, o protesto também foi realizado em municípios do interior que contam com sedes da empresa.

Marcelo teme que a privatização gere precariedade no serviço de distribuição de energia, aumento nas tarifas e fim do programa tarifa social. Outro ponto, que incomoda o sindicato, são as demissões que podem atingir um total de 27 mil servidores, em todo o país.

Os protestos ocorreram em diversos estados brasileiro, principalmente nos locais em que as distribuidoras serão privatizadas, como Alagoas, Amazonas, Piauí, Rondônia e Roraima. No Distrito Federal, manifestante se reuniram em frente ao Ministério de Minas e Energia.

Natan Peres