Bolívia pode se tornar grande mercado para o peixe acreano

A Bolívia pode ser grande mercado para o peixe acreano, tanto pelas possibilidades de consumo de sua população, que vem tendo sucessivos e rápido aumento de renda, como também se tornando uma plataforma de exportação para  mercado asiático, principalmente a China, com quem mantém laços  comerciais intensos.

Sob o governo de Evo Morales, a Bolívia tem mantido um crescimento médio de 5% ao ano, com duas vertentes principais: as imensas reservas de gás natural e a produção agropecuária nas províncias do sul. Em breve, as imensas reservas de lítio também terão papel importante na economia do país.

Hoje, Bolívia e Peru já são mercados potenciais para a piscicultura e para os pescadores artesanais. A BR-317 é porta de entrada do pescado brasileiro naquele país, comprado tanto no Acre como na região do rio Purus, no Amazonas, com foco em Boca do Acre. Um dos peixes mais procurados é o piranambu, pouco valorizado no mercado local, mas que nos dois países vizinhos é filetado, processado e tem alta taxa de consumo e de exportação.

A presença do presidente Evo Morales no Acre pode significar a expansão dos negócios e a criação de um corredor de exportações que garanta um mercado cativo para os produtores de peixe. As oportunidades estão na mesa. Cabe ao Acre aproveitar a oportunidade.