Taxistas de Boca do Acre denunciam perseguição em ponto de Rio Branco

Os taxistas que atuam no transporte de passageiros entre Rio Branco e Boca do Acre, no Amazonas, alegam que estão sendo vítimas de perseguição por parte do colegas de profissão da capital do Acre.

O assunto foi a pauta da reunião entre vereadores de Rio Branco e uma comissão da cidade amazonenses liderada pelo vice prefeito Carlinhos da Farmácia. O encontro aconteceu na Câmara da capital acreana na manhã de ontem e contou com a participação do presidente da Cooperativa de Taxistas de Boca do Acre, Milkley de Lima Neves, os vereadores Louro da Viví e Mapará e seis vereadores locais.

O vice prefeito disse que os profissionais do volante alegam que estão sendo constantemente constrangidos e ameaçados no ponto de embarque e desembarque localizado no bairro Cidade Nova, onde funcionava a antiga rodoviária. Segundo Carlinhos, os taxistas de Rio Branco só permitem que os taxistas amazonenses peguem passageiros depois que os carros do Acre estejam lotados.

A reivindicação dos taxistas de Boca do Acre é que o ponto da Cidade nova seja repassado exclusivamente para eles. Em troca, a prefeitura de Boca do Acre, constrói um ponto exclusivo para os acreanos na cidade vizinha.

¨ A gente veio aqui em busca do entendimento. Não podemos permitir que profissionais da mesma categoria fiquem brigando, tem espaço para todos. Aqui me comprometo em ofertar um ponto para os taxistas de Rio Branco lá em Boca do Acre desde que aqui os nossos taxistas também tenham um espaço para trabalharem¨, disse Carlinhos.

A vereadora Lene Petecão (PSD), disse que os vereadores irão intervir junto a Superintendência de Trânsito de Rio Branco para que a situação seja revista. Ela ainda informou que também irão se reunir com o Sindicato dos Taxistas de Rio Branco para também ouvirem a versão dos trabalhadores locais.