Petistas que permaneceram em cargos comissionados são exonerados por Gladson Cameli

Os ocupantes de cargos comissionados de livre nomeação do governador do Estado que não foram exonerados pelo ex-governador Tião Viana (PT), depois de um dia de trabalho normal no primeiro dia da gestão de Gladson Cameli, foram surpreendidos na manhã desta quinta-feira, 03, com a exoneração, tal qual ocorreu na Casa Civil do Palácio do Planalto, por determinação do presidente Jair Bolsonaro, segundo o ministro Onnyx Lorenzoni, “com a finalidade de iniciar uma ‘despetização’ da pasta”.

Em decreto publicado no Diário Oficial do Estado, Gladson Cameli determina a exoneração de “todos os ocupantes de cargos em comissão e de função de confiança, da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo, que tenham sido admitidos até o dia 31/12/2018 e que sejam, por força de lei, de livre nomeação e exoneração pelo Governador do Estado, a contar de 1º. De Janeiro de 2019”. Só estão excluídas de exoneração mulheres grávidas, “em razão da sua estabilidade provisória até cinco meses após o parto”.

Mas nem todos estão sabendo do decreto, uma vez que o Diário Oficial, assim como todo o sistema de comunicação do Governo do Estado, via internet, está sem funcionar desde o início da manhã por conta de furto dos equipamentos da Secretaria de Ciência e Tecnologia, ocorrido entre a noite de quarta-feira, 02, e a madrugada desta quinta. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, que deve se pronunciar sobre o fato, assim como a secretaria de Comunicação, até o final da manhã.

Devassa nos Contratos e atos normativos de Tião Viana

Por telefone, na manhã desta quinta-feira, 03, o governador Gladson Cameli confirmou sua determinação à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) para que seja feita uma minuciosa revisão de todos os atos e contratos assinados pelo ex-governador Tião Viana e publicados no Diário Oficial nos últimos seis meses.
Por determinação de Cameli, a Casa Civil vai montar uma força tarefa com procuradores do Estado de várias áreas para que cada um dos atos normativos e contratos sejam minuciosamente analisados.

Essa devassa nos contratos e atos normativos de Viana visa, segundo fontes do Palácio Rio Branco, visa trazer maior transparência para a gestão. Se detectada alguma suspeita de irregularidades, os atos serão inicialmente suspeitos e em se confirmando a irregularidade, poderão ser revogados.