‘Botaram um garoto de 13 anos, tuiteiro, para governar o país’

O ex candidato a presidência Ciro Gomes (PDT), diz que vai pensar cem vezes se será candidato novamente em 2022.

“Sabe lá o que vai acontecer com o Brasil, estou muito angustiado, muito preocupado e acho que preciso ter a liberdade de uma não conveniência de candidatura para ajudar os jovens, principalmente, a entender o que está acontecendo”, disse.

Ciro diz que, agora, não vai “agir com a prudência de candidato”, ou seja, não terá “silêncios, conversa mole e promessas mirabolantes”. “Vou falar o que as pessoas precisam ouvir”, disse à imprensa após palestrar em evento em São Paulo nesta segunda-feira (11).

Na ocasião, por exemplo, chamou os integrantes do governo Jair Bolsonaro (PSL) de “bando de boçais” e de “canalhas”. Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL), foi qualificado de “laranja-mor” para o público do evento organizado pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa.

Também sobraram críticas à imprensa, ao PT, ao Judiciário e ao vereador Fernando Holiday (DEM-SP). Ciro disse que continuará lutando, e planeja lançar um livro e fazer palestras pelo país.

“Botaram um garoto de 13 anos, adolescente, tuiteiro, para governar o país”, disse arrancando risadas da plateia. À imprensa Ciro disse que não iria comentar os tuítes de Bolsonaro, pois não são temas relevantes, como as suspeitas sobre Flávio Bolsonaro e o laranjal do PSL -assuntos que ele pediu que a imprensa continue investigando.

“O que o governo tem feito é aproveitado essa leviandade da imprensa, que não creio que seja de má-fé, é uma coisa dos tempos modernos, em que tudo é descartável, tudo é irrelevante, e vive distraindo vocês com esses papos-furados aí. Vai tomar conta de Zé de Abreu uma altura dessa? Zé de Abreu, eu o conheci fanático do PSDB”, disse aos repórteres.

A respeito da reforma da Previdência, Ciro afirmou que seu papel é de conter danos, ou seja, “minimizar prejuízos para as pessoas mais pobres”, e que o PDT é contra o projeto proposto pelo governo.

Criticou o partido, isentando Fernando Haddad (PT). “Não aceito mais a hegemonia desse lado bandido do PT. […] O Haddad eu cito como homem de bem, mas esse lado quadrilha eu não aguento mais, não quero saber e vou enfrentá-los. Acho que eles são corresponsáveis por esses malefícios todos que o Brasil está vivenciando.” Informações Noticiasaominuto