Para garantir a vaga, Flamengo recebe o San José em casa

Diante da torcida e em um Maracanã lotado, o Flamengo faz, nesta quinta-feira, a última partida em casa na fase de grupos da Libertadores. Uma vitória, além de deixar para trás a imagem deixada com a derrota para o Peñarol (URU), deixa o time rubro-negro com a classificação às oitavas encaminhada, precisando de apenas um ponto dos dois próximos duelos, que vão ser realizados fora. O jogo, será às 21h.

(Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)

Se depender do retrospecto histórico, o Flamengo pode ficar tranquilo. No Maracanã, o Rubro-Negro já encarou times bolivianos em cinco oportunidades, tendo quatro vitórias e um empate. Os triunfos foram sobre o Jorge Wilstermann, em 1981, Blooming e Bolívar, em 1983, e Real Potosí, em 2007. O empate com o Bolívar aconteceu em 2014. Esta, porém, será a primeira vez que vai encarar o San José no estádio.

Os ingressos para o jogo se esgotaram no começo da tarde da última quarta-feira – mais de 57 mil entradas. Um dos mais experientes do elenco, o goleiro Diego Alves, que foi eleito o melhor do jogo em Oruro, ressalta que pressão por resultados, no Flamengo, é algo normal e o elenco está acostumado.

– É normal por ser Flamengo. Essa pressão vai existir. É o maior clube do Brasil, é o que dá mais repercussão, debate, ibope. Falar bem ou mal prende as pessoas. As pessoas têm de aceitar e nós jogadores aceitamos. Uma coisa pequena, aqui, se torna uma avalanche. É uma situação diferente de qualquer outro clube. As pessoas que estão aqui sabem dessa grandeza e estamos preparados para encarar tudo que vem pela frente. Não temos como controlar isso porque é de fora para dentro. Se não quiser pressão, tem de procurar outro lugar ou outro esporte.O técnico Abel Braga manteve fechou à imprensa o último treinamento antes do confronto desta quinta-feira e manteve o mistério em relação ao substituto do atacante Gabigol, que terá de cumprir suspensão automática após ser expulso contra o Peñarol. Uribe, que seria a opção natural, sofreu uma torção tornozelo esquerdo no clássico com o Fluminense, pela semifinal do Carioca, e não deve ter condições de jogo. Bruno Henrique acusou um problema muscular na mesma partida e também é dúvida.

Desta forma, o treinador, a princípio, teria duas opções para formar o ataque: uma com Everton Ribeiro, Arrascaeta e Vitinho como falso 9, posição em que já atuou no CSKA (RUS) e até mesmo no próprio Flamengo, sob o comando de Mauricio Barbieri, ou ainda escalar o o jovem Vitor Gabriel, que chegou a fazer parte do grupo que disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior e foi integrado ao profissional ainda na Florida Cup, na pré-temporada.

Lance!