ÚLTIMAS NOTÍCIAS >>

Empresas lucram menos no 1º tri, mas lucro dos banco sobe

fachada-do-edificio-sede-do-banco-do-brasil-no-setor-bancario-sul-em-brasilia-df-1325017551325_615x300

O lucro das empresas brasileiras com ações na Bolsa caiu, de uma forma geral, no primeiro trimestre. Na contramão, o lucro dos bancos registrou alta no mesmo período, aponta levantamento da consultoria Economatica.

Considerando um conjunto de 317 empresas, o lucro caiu de R$ 44 bilhões, nos três primeiros meses de 2014, para R$ 25,7 bilhões, de janeiro a março deste ano –R$ 18,2 bilhões a menos, sem considerar a influência da inflação. Isso representa um tombo de 41,4%, segundo o estudo.

Boa parte desse tombo foi causado pela Vale: a mineradora saiu de um lucro de R$ 5,9 bilhões, no primeiro trimestre do ano passado, para um prejuízo de R$ 9,53 bilhões, no mesmo período de 2015, aponta o levantamento.

Na contramão, o lucro dos bancos saltou 42,8%: de R$ 12,4 bilhões, nos três primeiros meses de 2014, para R$ 17,7 bilhões, de janeiro a março deste ano. Foram R$ 5,3 bilhões a mais, também sem considerar a influência da inflação.

De 24 setores, apenas 10 tiveram alta no lucro

De 24 setores da economia analisados pela consultoria, apenas dez tiveram alta nos lucros. O bancário foi o que teve melhor desempenho.

Em seguida, aparecem os setores de petróleo e gás (lucro de R$ 5,32 bilhões a mais) e de energia elétrica (com R$ 5,23 bilhões a mais no lucro).

Maiores lucros: BB, Itaú, Petrobras, Bradesco e Ambev

Entre as empresas analisadas pela Economatica, o maior lucro no primeiro trimestre deste ano foi do Banco do Brasil. Veja ranking:

  • Banco do Brasil: R$ 5,818 bilhões
  • Itaú Unibanco: R$ 5,732 bilhões
  • Petrobras: R$ 5,33 bilhões
  • Bradesco: R$ 4,24 bilhões
  • Ambev: R$ 2,81 bilhões

Maiores prejuízos: Vale, Suzano, Klabin, Gol e Minerva

A Vale lidera entre as empresas com maior prejuízo no primeiro trimestre deste ano, segundo a Economatica. Veja ranking:

  • Vale: – R$ 9,538 bilhões
  • Suzano: – R$ 762 milhões
  • Klabin: – R$ 728 milhões
  • Gol: – R$ 704 milhões
  • Minerva: – R$ 587 milhões