Coluna Bom Dia

Merenda

As notas da coluna sobre a oferta de merenda escolar para a comunidade próxima das escolas foram assunto de muitos comentários na Capital. E a situação é muito mais grave do que a inicialmente relatada.

Comida

Uma ação que passa despercebida é o esforço do Governo do Estado em aumentar a qualidade e quantidade da merenda oferecida nas escolas. Para muitas famílias é a diferença entre a sobrevivência e a fome.

Escola

Por exemplo, na escola Berta Vieira, no São Francisco, o aumento da merenda foi da ordem de 50% na quantidade e na qualidade, com oferta variada de legumes, frutas e verduras e até de carne vermelha, que tinha desaparecido do cardápio há muito tempo.

Famílias

Especialmente no turno da noite, as famílias se reúnem para pegar a boia, mas a alimentação está farta em todos os três turnos. Antes se limitava a ovo, salsicha e bolachas da Miragina.

Política

A questão da merenda escolar é uma bandeira que o atual Governo do Estado deveria divulgar mais. Uma grande conquista.

Situação

Especialmente importante, essa alimentação em um país em que, segundo os últimos dados, uma em cada quatro famílias sobrevive com até R$ 406 por mês e 15 milhões de pessoas têm renda de até R$ 140 por mês.

Terceirizados

A maioria dos pais que está procurando a escola é composta de ex-terceirizados que perderam o emprego. A situação é crítica. Com a boa oferta de alimentação e a falta de dinheiro, os ambulantes vendedores de salgados da porta da escola estão tendo prejuízo.

Reunião

Em reunião com seu secretariado, na sexta-feira, o governador Gladson Cameli ouviu relatos estarrecedores de irregularidades encontradas em várias secretarias, de esqueletos guardados do governo anterior. Coisa de estarrecer.

Devolução

Um dos fatos mais graves diz respeito a convênios e que o Estado não cumpriu com a contrapartida e, por isso, terá que devolver cerca de R$ 200 milhões aos cofres federais. Também há problemas com diárias que eram pagas com empréstimos, rescisões não pagas e até uma compra absurda de sacos de lixo no gabinete da ex-vice-governadora.

Relatório

O governo deve divulgar um relatório exaustivo das irregularidades encontradas, estabelecendo o que é de fato improbidade ou que pode se constituir em infração grave e o que é mera falha administrativa.

Vídeo

Um vídeo enviado ontem ao jornal A TRIBUNA, e que também circulou por outros veículos de comunicação, mostra a punição dada por supostos integrantes de uma facção a um adolescente pego roubando na comunidade.

Espancamento

O jovem teve a ponta da orelha cortada e levou castigo com pau nas mãos, para aprender a não roubar. E não podia chorar, senão o castigo seria dobrado. Foi proibido de roubar na região dominada pela facção.

Exemplo

Recentemente, um estudante do bairro São Francisco foi pego roubando e também castigado pela facção. Foi proibido de beber, fumar e sair de casa, a não ser para ir à escola. Regras do tráfico. O roubo atrapalha a venda de drogas.

Sociedade

A que ponto se chegou: tribunais do crime, para julgar rivais e pessoas que vacilam nas ordens do tráfico. Triste.

Confusão

Enquanto o crime está vez mais organizado, as forças policiais estão mais divididas do que nunca. Primeiro, a PM, onde a cúpula está em guerra com a associação dos militares que pede a saída do comandante, em uma evidente quebra de hierarquia.

Civil

Agora, a Polícia Civil tem pelo menos três delegados que se rebelaram ao serem transferidos. Eles alegam perseguição, por motivos políticos. Acusam a cúpula da Polícia de querer transformar a polícia judiciária em mero apêndice da PM.

Confusão

Para esse problema, a solução está nas mãos do vice-governador Rocha, que indicou todos os cargos. Ele terá que resolver esse pepino.

Demissões

Mas, antes disso, Rocha tem outro abacaxi para cuidar. Ontem, como governador interino, demitiu carca de 30 cargos no Idaf, de pessoas que recebiam até R$ 7 mil. Outra vez o Idaf nesse governo entra em combustão.

Início

No início do governo de Gladson Cameli, o Idaf teve que contratar às pressas médicos veterinários, para que o abate de carne não entrasse em colapso no Estado. Agora, mais essa confusão de demissões às vésperas de começar a campanha de vacinação e controle da febre aftosa.

Comissão

A Assembleia já formou comissão para analisar o nome da nova indicada para o Acreprevidência. O governo deve segurar um pouco a indicação de João Pereira da Costa para Ageac. É que o mandato da atual diretoria da entidade termina em junho e pelo menos dois diretores conseguiram na Justiça a reintegração a seus cargos.

O mesmo

Aliás, não dá para esquecer que João Pereira da Costa foi o pivô da briga que separou (politicamente) o atual governador de seu primo César Messias, anos atrás. João era muito ligado a César. Agora, o mundo dá voltas.

Reforma

Uma boa notícia e que mostra o trabalho do secretário de Infraestrutura, Thiago Caetano. Ele está começando a reforma da climatização e do telhado do Palácio Rio Branco, para que o governador possa voltar a despachar em seu gabinete e volte a funcionar com toda a qualidade o museu lá instalado.

Reclamação

A falta de ar condicionado era um absurdo no Palácio e um descaso com um patrimônio do povo acreano. Boa medida do governo e do secretário Thiago Caetano.

Falta

Falta agora descobrir o paradeiro da corrente histórica que impediu a passagem dos bolivianos na revolução acreana e que deveria estar no obelisco em frente ao Palácio. As más línguas sempre disseram que o original estaria na fazenda de um grande pecuarista e empresário de Rondônia, falecido há alguns anos.

Fonte

Thiago Caetano também promete por em funcionamento completo as duas fontes luminosas, a em frente ao palácio e a outra nos fundos. Realmente, uma medida justa. Os painéis da fonte foram encomendados na Holanda.

Já era

Paulo Wadt, o secretário de Agricultura e Produção, que se acha acima de todos, deve cair na próxima semana. É a conversa que se ouve nos bastidores do poder desde o feriado.

Alvo certo

Os arautos da demissão de Wadt são os mesmos que espalharam recentemente a notícia da demissão de Rogério Wenceslau do cargo de Porta-Voz do governo e de Raphael Bastos da secretaria de Planejamento.

Sem erro

Nas outras duas ocasiões, eles provaram que estavam certos. Como esperado, os dois foram demitidos pelo governador e prontamente substituídos. Wadt corre o mesmo risco.

Empoderado

Apesar da gravidade do caso, Wadt escreveu uma longa carta ontem em suas redes sociais descartando estar fora da roda dos melhores amigos do governador e terminou o textão usando o bordão de Cameli que o governo já deu certo.

Razão

Uma das razões ocultas na tentativa de derribar o secretário Wadt seria a busca pelos equipamentos do Estado nas fazendas de empresários. Por conta disso, o secretário é considerado persona non grata em várias propriedades, até impedido de entrar em algumas.

Razões

São razões, como se vê, pouco republicanas, mas no jogo político, todas as armas são válidas.

Tempo

Mas o supersecretário importado de Rondônia não se engane sobre os boatos. Afinal, o governador já demitiu dois pelos jornais e sites.

Palavra

Aliás, há que se dizer que Gladson Cameli é um homem de palavra. Desde o início do governo avisou que não tinha assessor oi secretário insubstituível. Sua afirmação de que caneta que nomeia é a mesma que exonera nunca foi tão posta em prática.

Alternativas

Diante da eventual demissão de Wadt, os fazendeiros do Acre que não o suportam e nunca concordaram com sua indicação, já trabalham dois nomes para o seu lugar.

Nomes

Um dos nomes mais citados é do pecuarista Fernando Zamora, vice-presidente da Federação da Agricultura e do veterinário Edivan Maciel, que já tinha sido cotado para o cargo ainda período da transição.

Negociação

Consta que estariam bem adiantas das negociações entre aliado do governador Gladson Cameli e do prefeito de Sena Madureira para chegar a um fim à briga política entre os dois.

Voto

A negociação tem um alvo específico: o apoio da esposa de Mazinho, deputada Meire Serafim, à bancada de apoio do governo na Aleac.

Sem empecilho

Com a virtual saída do deputado Gehlen Diniz da liderança do governo na Aleac, está pavimentado o caminho para o acordo com Serafim, que brigou com Cameli por causa de Diniz.