Dengue cresce cinco vezes em relação ao ano passado no país

O Brasil registra cinco vezes mais casos de dengue que no ano passado. Segundo o último informe epidemiológico do Ministério da Saúde, de 4 de maio, foram registrados 675.174 casos prováveis da doença desde o início do ano. No mesmo período do ano passado, houve 134.048 ocorrências, o que representa um aumento de 403%.

A incidência da dengue, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 323,8 casos por 100 mil habitantes.

O número de mortes também cresceu 115%, passando de 82 em 2018 para 189 este ano, sendo a maior parte no Estado de São Paulo, líder em número de casos, com 232.183. A região Sudeste concentra mais de 474 mil casos de dengue. 

O Ministério ressalta que em 10 Estados e o Distrito Federal a situação é “mais preocupante”, pois apresentam alta incidência da doença – maior que 100 casos por 100 mil habitantes. 

Esses Estados são Minas Gerais (1.000 casos/100 mil hab.), Tocantins (903,5 casos/100 mil hab.), Mato Grosso do Sul (902,6 casos/100 mil hab.), Goiás (829,4 casos/100 mil hab.), Acre (539,4 casos/100 mil hab.), Espírito Santo (539,4 casos/100 mil hab.), São Paulo (509,9 casos/100 mil hab.), Distrito Federal (431,2 casos/100 mil hab.), Paraná (216,8 casos/100 mil hab.), Rio Grande do Norte (147,4 casos/100 mil hab.) e Mato Grosso (126,5 casos/100 mil hab.).

A zika também registrou aumento esse ano, de 7%. Até 20 de abril, houve 4.161 casos. No ano passado, foram 3.877 no mesmo período. Não há registro de morte por zika este ano.

A região que concentra o maior número de casos passou do Nordesde para o Sudesde, com 1.684 casos. A maior incidência da doença ocorre no Tocantins (46,3 casos/100 mil hab.), segundo a pasta.

A zika continua acometendo grávidas. Neste ano, foram registrados 988 casos prováveis em gestantes, sendo 193 já confirmados. O Ministério destaca que 37,3% (72) dos casos confirmados foram registrados no Rio de Janeiro, seguido do Espirito Santo 18,1% (35), Minas Gerais com 7,7% (15) e Mato Grosso do Sul com 5,6% (11).

Já a chikungunya teve redução de 29%, passando de 48.344 no ano passsado para 34.054 este ano. No entanto, no Rio de Janeiro, a doença explodiu, com mais de 26 mil casos registrados e incidência de 121,8 casos por 100 mil habitantes.

Neste ano, cinco pessoas morrreram em decorrência da chikungunya, sendo três no Rio de Janeiro, uma na Bahia e uma no Distrito Federal.