Baiano diz que pediu ‘doação eleitoral’ para campanha de Raupp

images-cms-image-000466332

O lobista Fernando Antonio Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, disse em seu primeiro depoimento dentro do acordo de delação premiada que procurou o ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa para pedir “doação” à campanha eleitoral do senador e atual presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO). Segundo Baiano, o repasse do dinheiro teria sido realizado pelo doleiro Alberto Youssef, tendo sido contabilizado como doação oficial.

Inquirido pelo juiz federal Sérgio Moro sobre uma possível relação entre o repasse de recursos a partidos políticos e as propinas pagas a Costa, O lobista disse acreditar que o esquema fosse independente. “Eu acredito que isso seja independente, eu sempre operei recursos do Paulo para o Paulo. Nunca peguei nenhum recurso que eu tivesse recebido pelo Paulo e guardando para ele, ele nunca me pediu para passar para nenhum parlamentar, para nenhum partido”, disse em depoimento.

“Só teve uma vez que eu pedi uma doação para o Paulo para um parlamentar para o PMDB, e que o Paulo disse que iria cuidar disso”, destacou Baiano. “Eu também fiquei sabendo, posteriormente, que essa doação tinha sido feita e eu fiquei sabendo depois que foi feita oficialmente e quem tinha operacionalizado isso tinha sido o Youssef”, disse. Indagado sobre o quem seria o parlamentar que teria recebido a doação, o lobista foi taxativo: “Foi o senador Valdir Raupp”, afirmou.

O peemedebista já responde a dois inquéritos no Supremo Tribal Federal (STF) que apuram se houve formação de quadrilha na Petrobras e outro para investigar se o parlamentar teria recebido recursos desviados da estatal. O PMDB nega que atue com lobistas. O senador Valdir Raupp declarou, por meio de sua assessoria, que o dinheiro foi doado ao partido e não diretamente a ele. Todas as doações também teriam sido declaradas à Justiça Eleitoral.