ÚLTIMAS NOTÍCIAS >>

Seleção não quer deixar Nordeste até o fim de 2016

seleção-salvador

Mais de 45 mil pessoas, arquibancada lotada e recorde de público do estádio no ano. A princípio, deveria ser certeza de apoio, mas, aos 20 minutos, em troca de passes, as primeiras vaias foram ouvidas. Foram rapidamente caladas por excelente lance de Willian pela direita e cruzamento para Douglas Costa, sozinho, abrir o placar na vitória de 3 a 0 sobre o Peru. A festa apenas se iniciava na Arena Fonte Nova, em Salvador.

E, se depender de Dunga, ela continuará no Nordeste até que a seleção brasileira se firme e não corra riscos nas Eliminatórias.

No planejamento inicial feito pela CBF, o time pentacampeão mundial voltaria a atuar fora da região somente dentro de um ano, no reencontro com a Argentina, em 11 de novembro de 2016. Maracanã, no Rio de Janeiro, e Beira Rio, em Porto Alegre, são os preferidos para abrigar o clássico.

No intervalo, seriam disputados antes outros três compromissos: Uruguai, em março, Colômbia, em setembro, e Bolívia, em outubro.

Perguntado sobre o assunto ao fim da partida contra os peruanos, na última terça-feira, Dunga deixou clara a sua predileção por seguir no Nordeste.

“O Brasil vai ter pressão em todos locais. (A escolha) Depende de logística, uma série de fatores. Nem pensamos ainda onde vai ser o próximo. No Nordeste, temos uma atmosfera, o carinho, uma energia positiva. Não é que faz bem agora agora. Lembro que em 1994, 1998 e outros anos sempre foi assim”, afirmou o técnico, em entrevista coletiva.

O presidente da federação pernambucana, Evandro Carvalho, e da federação potiguar, José Vanildo, contam com promessas para receber os próximos confrontos.

A logística deve ser fator preponderante nas escolhas. Dunga sugeriu ter enfrentado problemas nos encontros anteriores, ao analisar os detalhes a melhorar no ano que vem.

“Dificuldade em poder treinar. Tivemos muitos problemas nesses dias de treinamento, não é fácil, é importante que o torcedor saiba isso porque depois temos a responsabilidade de fazer as coisas que todo mundo espera. Por mais que as pessoas falem que o futebol é desorganizado, não é verdade. Nós somos organizados. Foram várias situações. As pessoas têm que entender que estamos aqui para representar o Brasil, a seleção e tem que dar tempo para a gente treinar. Além de ser pouco, com uma certa privacidade”, desabafou.

O Brasil fecha o ano no terceiro lugar nas Eliminatórias, com sete pontos, cinco atrás do líder Equador.