Eleição da Mesa abre legislatura sem incidentes na Assembleia

Os 16 partidos representados deverão ter voz na primeira sessão oficial da Aleac

lNova legislatura renovou dois terços de seus integrantes

lNova legislatura renovou dois terços de seus integrantes

Enquanto no Congresso Nacional e em vários estados o clima foi de tensão na escolha da mesa diretora do Poder Legislativo, no Acre a sessão transcorreu sem incidentes, seguindo exatamente o roteiro pré-estabelecido, sem voto secreto, sem urnas, com a aprovação unânime dos nomes da chapa única. Foi uma prova de maturidade de uma legislatura que renovou dois terços de seus integrantes.

A costura política que permitiu a unanimidade dos votos e elegeu o deputado mais votado, Ney Amorim (PT) para a presidência, deve se repetir agora na escolha do colégio de líderes e na direção das comissões. Não está excluída disputa localizada em algumas áreas, mas existe um compromisso de tornar o processo o menos traumático possível, respeitando-se as posições e interesses partidários.

Hoje, a movimentação será intensa para a sessão de amanhã, quando será feita a leitura da mensagem do governador e a composição do novo poder. Os 16 partidos representados deverão ter voz na primeira sessão oficial da Assembleia Legislativa, assim como o líder do governo, Daniel Zen e da oposição, Eliane Sinhasique.

Na solenidade de eleição da mesa diretora, os deputados novatos, em sua maioria, ainda pareciam estar se acostumando com o plenário, onde passarão a trabalhar agora, mas não houve problemas nem vexames.

A bancada feminina, Eliane Sinhasique, Maria Antônia, Leila Galvão e Dra. Juliana conversava tranquilamente, sem problemas ideológicos. O deputado Josa da Farmácia não escondia o desconforto de usar terno, pequeno demais para seu tamanho e sapato. Ele disse que o terno prometido pelo governador Tião Viana nunca chegou. A estrutura montada pelo cerimonial para receber os deputado e encaminhá-los ao plenário funcionou bem.

Apesar do grande número de novatos, espera-se debate quente a partir de amanhã. O governo terá uma tropa de choque para rebater qualquer manifestação da oposição.