Acre pode ultrapassar as previsões das 250 mortes em mais três semanas

Acre registrou 201 mortes por covid-19 em 60 dias do registro do primeiro óbito de uma aposentada de 79 anos, por causa da doença na UPA do Segundo Distrito. O número de óbitos é bem maior que a estimativa do Comitê do Covid-19 da Universidade Federal do Acre (Ufac) que projetava 250 óbitos nos próximos três meses, mas em apenas três semanas o estado  pode fechar a previsão catastrófica prevista para chegar até setembro deste ano.

Foram registradas mais 11 mortes neste sábado, sendo sete pessoas do sexo masculino e quatro do sexo feminino.   De acordo com o boletim epidemiológico do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS), apontou que três vítimas eram dos municípios de Santa Rosa do Purus, Senador Guiomard e Assis Brasil, enquanto oito óbitos na capital acreana, com idades que variavam entre os 6 meses de idade aos 83 anos.

O número de mortos e de infectados pela doença aumenta todos os dias no estado, o epicentro da doença se concreta em duas cidades: Rio Branco, com 148 mortes e Cruzeiro do Sul, com 16 óbitos, que juntas somam 156 mortes. Os outros 34 óbitos estão distribuídos entre os 13 municípios acreanos que contabilizaram mesmo nos últimos meses.   O município de Porto Acre contabilizou 5 mortes; Plácido de Castro, Assis Brasil e Brasileia (4); Acrelândia, Tarauacá, e Rodrigues Alves (3 óbitos); Senador Guiomard e Bujari (2); Feijó, Xapuri, Santa Rosa do Purus,  Epitaciolândia e  Mâncio Lima (1 óbito). 

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) comunicou que foi registrado mais 241 novos casos infectados nas últimas 24 horas,  o estado contabiliza agora 7.525 casos da doença.   Em contrapartida, o Acre desponta em primeiro lugar no quesito do Índice de Isolamento Social com 44,9% da população que cumpre a quarentena, mas o ideal seria 70% da população para evitar a disseminação da doença que chegou em todos os 22 municípios, mais de 50% deles já registraram mortes por covid-19.

Como a população ignora o distanciamento social, defendido pelas autoridades acreanas  os indicadores tendem a piorar em comparação com os meses anteriores.  Na semana retrasada  em apenas quatro dias os municípios registravam 1.107 novos casos e somava cerca de 80 mortes desde o primeiro óbito, mas nesta semana em quatro dias já tinha contabilizado mais 1.401 novos casos e fechou na última quinta-feira (dia 28), com 122 mortes por causa da covid-19.     Em apenas nas duas últimas semanas de (maio e junho), o Acre registrou 2.508 novos  casos da doença, enquanto nos dois meses anteriores o Departamento de Vigilância em Saúde contabilizava quase 2.100.

Óbitos

Os óbitos desta vez foram de sete pessoas do sexo masculino e quatro do sexo feminino, sendo que três mortes são de Santa Rosa do Purus, Senador Guiomard e Assis Brasil, enquanto os demais do município de Rio Branco. A primeira vítima era uma recém-nascida da etnia Kaxinawá de 6 meses, que faleceu no dia 3 deste mês no Hospital da Criança, residente em uma aldeia de Santa Rosa do Purus, a segunda uma aposentada de 71 anos, morreu na última sexta-feira (dia 5) na UPA do Segundo Distrito, terceira vítima tinha 73 anos, mas veio a óbito no dia 21 de maio no Instituto de Traumatologia e Ortopedia no Acre (INTO-AC), a quarta era uma aposentada de 78 anos, que falaceu no última segunda-feira na Fundação Hospitalar do Estado do Acre (Fundhacre).

Os óbitos do sexo masculino, o primeiro foi de um homem de 40 anos, que faleceu no dia 31 de maio, na UPA do Segundo Distrito, o segundo de um homem 49 anos, que morreu na última terça-feira, na mesma unidade de saúde, o terceiro tinha 56 anos, mas era morador de Senador Guiomard e faleceu no dia 2 de junho na UPA do Segundo Distrito. A quarta vítima tinha 59 anos, veio a óbito no último dia 4 no Instituto de Traumatologia e Ortopedia no Acre (INTO-AC), a quinta era um aposentado de 74 anos, que morreu no dia 4 deste mês na UPA do Segundo Distrito, a sexta era um aposentado de 74 anos, que morreu na última sexta-feira (dia 5) no Hospital de Urgência e de Emergência de Rio Branco (Huerb), a última vítima tinha 83 anos, mas morava no município de Assis Brasil que veio a óbito na última sexta-feira na mesma unidade de saúde.