Acre registrou a melhor taxa de sobrevivência

As empresas acreanas registraram uma taxa de sobrevivência de 83,3%, no quesito de Demografia das Empresas e Empreendedorismo 2018. Com 7.788 de unidades que corresponde a maior taxa de sobrevivência nos estados da região Norte. Das unidades locais nascidas em 2008, eram em torno de 1.326 empresas constituídas, mas a taxa de sobrevivência em 2018 caiu para 17,1% que representa 226 empreendimentos.

O estudo revelou que a taxa de entrada ficou na casa dos 16,7%, enquanto a de saída chegou aos 19,9%, como resultado desta equação, o saldo de empresas foi negativo de menos 245. A construção foi à atividade que apresentou a maior taxa de entrada (23,5%), enquanto Eletricidade e gás registrou a maior taxa de saída (80,0%).

Em 2018, o número de unidades somava 7.788 ativas, que ocupavam 62.834 de pessoas. Na comparação com 2017, houve uma queda de 3,0% no número de empresas, pois registrou menos 245, no que se refere ao pessoal ocupado, houve aumento de 2,1%, (mais 1.301 contratados).

A construção apresentou a maior taxa de entrada (23,3%) e Eletricidade, a maior taxa de saída (80,0%). Entre as atividades econômicas, as maiores taxas de entrada foram observadas na construção (23,5%); alojamento e alimentação (20,2%); eletricidade e gás (20,0%); artes, cultura, esporte e recreação (19,5%); atividades administrativas e serviços complementares (19,2%) e atividades profissionais, científicas e técnicas (18,7%). (Com informações da Assessoria do IBGE/AC)