Acre terá Zoneamento de Risco Climático

Pesquisadores da Embrapa apresentaram os resultados do estudo para elaboração do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura do milho no Acre. A reunião virtual, no dia 10 de junho, contou com 60 participantes, entre produtores rurais, agentes financeiros, técnicos e gestores de instituições de apoio fomento à produção agrícola no estado, e colheu contribuições para a versão final do documento que será publicado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O Zarc visa indicar as datas de semeadura (plantio) para o milho de primeira e segunda safras, cultivares de ciclo precoce, médio e tardio, em solos de textura arenosa, média e argilosa no Estado do Acre. O objetivo desse instrumento de gestão de riscos é reduzir riscos na cultura e minimizar perdas na produção decorrentes de problemas climáticos. O estudo definiu “janelas de plantio” para as cinco regionais acreanas (Alto Acre, Baixo Acre, Purus, Tarauacá- -Envira e Juruá) e os participantes da reunião opinaram sobre os períodos apresentados, considerando suas experiências com a cultura.

“Trabalhamos com modelos matemáticos, desenvolvidos com base em informações do solo, da planta e do tempo, e toda modelagem traz incertezas nos seus resultados. Ouvir diferentes atores envolvidos no agronegócio do milho permite corrigir possíveis distorções, de modo a tornar os dados do Zoneamento Agrícola de Risco Climático para a cultura o mais próximo possível da realidade de campo. As discussões mostraram que, de modo geral, não há diferenças significativas entre os dados da modelagem para a cultura e as práticas dos agricultores nas diversas regionais do Acre”, explica o pesquisador da Embrapa Acre Falberni Costa.

Conforme critério do Mapa, para ser oficializado o Zarc deve apresentar janelas de plantio com índice de sucesso na cultura de no mínimo 60%. O estudo apurou índices superiores a esse percentual. Os ajustes e confirmações resultantes do debate online serão sistematizados em Nota Técnica que embasará a publicação do Zarc para a cultura do milho no Acre, por meio de Portaria do Mapa, órgão responsável pela aplicação da ferramenta, com validade a partir da safra 2020/2021.