Antes de pedido do MP, juiz afastado já havia se declarado suspeito em ação de direito de resposta ajuizada por Roberto Duarte

Ao menos 24 horas antes da remessa do ofício da Procuradoria Regional Eleitoral ao TRE- do Acre, que aconteceu na data de 15/10, solicitando providências a respeito do fato de a esposa do juiz titular da 9ª Zona Eleitoral, Giordane Dóurado, ser apoiadora do candidato ao cargo de prefeito de Rio Branco, Roberto Duarte, o próprio magistrado já havia se declarado suspeito em uma ação de representação, com pedido de direito de resposta, ajuizada por Duarte.  

Em despacho, nos autos da representação eleitoral nº 0600312-63.2020.6.01.0009, assinado no último dia 14, e publicado no Mural Eletrônico do TRE-AC, o juiz Giordane Dourado se declara “suspeito por motivo de foro íntimo para julgamento destes autos” e determinou “o encaminhamento dos mesmos ao Juízo da 1ª Zona Eleitoral”.

Afastamento

No último dia 16, durante a 83ª Sessão Plenária da Corte, a presidente do TRE-AC, desembargadora Denise Bonfim, anunciou a decisão da Corregedoria Eleitoral, em caráter liminar, do afastamento do juiz titular da 9ª Zona Eleitoral (Rio Branco), até a diplomação dos candidatos eleitos no pleito que se aproxima.

Ainda na sessão, Denise Bonfim informou que a medida foi tomada para a garantia da credibilidade da Justiça Eleitoral, ressaltando não ter tido qualquer juízo de mérito com relação ao juiz.