Balsa – Repelente

Com o porto Gameleira lotado, os passageiros embarcaram para longa viagem rumo a Manacapuru/AM a mais de 1000 milhas de navegação.

Logo no início alguns incidentes quase atrasaram a viagem, por conta da incompatibilidade de gêneros entre alguns ocupantes da 1º e 2ª classe.

Minoru Kinpara exigiu passe livre para todos e carteirinha de estudante da Ufac.

Roberto Duarte queria asfaltar todo o trajeto e estava em contato com o Senador Márcio Bittar para desmatar a margem do rio, depois de verificar se a balsa tinha banheiros femininos e masculinos.

Jarbas Soster afirmava que iria fiscalizar a qualidade do asfalto do Duarte, para ver se não tinha sebo de boi e reclamava que o rio estava cheio de buracos.

Jamyl Asfury e Antônia lúcia demarcavam o lugar para fazer o culto de cada um em lados opostos da balsa. Gabriela Câmara, filha de Antônia Lúcia jogava futebol e atrasava o embarque.

Vagner Sales, o leão do Juruá, reclamava que cortaram sua juba e foi impedido de levar dois jabutis. Seu filho Fagner ficava repetindo “meu
paipai”.

Jorge Viana e Marcus Alexandre explicavam a viagem para Daniel Zen, pois já conheciam o trajeto, dentro da kombi espaçosa, que serviria de cabine.

Major Ulysses tomava sol de calção deitado de bruços, se exibindo.

Flaviano Melo articulava a nomeação de indicados do MDB para todos os postos de comando da balsa.

Major Rocha e Mara Rocha reclamavam que toda a tripulação era comunista e que o PT ia afundar a balsa, brigando com todo mundo.

R7 criou caso porque não deixaram embarcar sua bicicleta. O setor de imprensa da balsa estava bem estruturado, a viagem iria ter ampla cobertura de imprensa, já que viajou cheia de jornalistas (Evandro Cordeiro, Rose Lima, Lázaro Barbosa, Rogério Wenceslau). Além da digital influencer Joana Dark com seus milhares de seguidores.

O pessoal do PC do B tentava organizar uma greve para adiar a partida.

Baixe o arquivo em PDF