Cai abate bovino nas redes frigoríficas do Acre

Cezar Negreiros

O proprietário do Frigo Nosso Murilo Leite não descartou a hipótese de redução do abate nos próximos meses em virtude da falta de boi gordo na praça.  A unidade frigorífica que tem capacidade para abater 600 animais (por dia) está matando apenas 400 animais.

Em contrapartida, a unidade frigorífica da rede JBS que tem capacidade de  abater 700 animais, agora  chega pouco mais de  400 animais diários.  A redução da oferta de gado de corte no mercado, no entanto,  elevou o preço da arroba para R$215,00. Há dois meses a arroba do boi gordo era negociada por R$175,00 até R$180,00,  um aumento de R$40,00 em comparação com o preço praticado em julho deste ano. “Estamos chegando ao limite nesta época do ano”, lamentou o presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas do Acre (SindCarne), José Aristides Jungueira Franco Júnior (Nenem Junqueira).

O empresário destacou que o estado conta com 22 unidades de abate de animais bovino, mas as unidade de Tarauacá e Senador Guiomard estão com as sua satividades paralisadas.  Aponta que a venda sem controle de bezerros e de animais em pé para os estados de Rondônia e Mato Grosso, contribuiram para a queda do gado de corte.

Em outras ocasião, os criadores comercializam as matrizes  com o preço do bezerro de apartação sendo comercializado por R$1.800,00, muitos deles não querem abrir mão dos animais. Um plantel com 100 vacas que gera 30 bezerros garante uma renda anual de R$54.000,00, sem necessidade de vender as matrizes para garantir o rendimento da propriedade. “Desde janeiro que a carne que chega as redes de supermerados estão mais caro por conta da lei da oferta e da procura”, observou Nenem Junqueira.

Variação – No final do ano passado, o preço da arroba do boi chegou a ser negociada por R$175,00 após o setor de exportação celebrar novos contratos para atender o mercado chinês.   Em dezembro do ano passado o produto chegou a registrar uma queda de R$20,00, pois o preço da arroba caiu para R$ 155,00 e na praça acreana ficou em  torno de R$150,00.

Em 2018,  a carne bovina era comercializada na praça por apenas R$ 125,00, enquanto no estado de Rondônia girava em torno de R$ 138,00, o produto tinha registrado nos últimos 12 meses um reajuste de R$50,00. As redes frigoríficas rondoniense pagavam R$ 134,00 na arroba do boi (capado ou não capado), enquanto as duas redes frigoríficas instaladas no estado pagava apenas R$ 123,00 no boi capado e R$ 118,00 no boi não capado, uma diferença do preço da arroba de um estado para outro era de R$ 17,00.