Câmara vai aprovar eleições em 15 de novembro em troca de ajuda para municípios e horário eleitoral

Senador Jorginho Mello (PL-SC)

A Câmara dos Deputados fechou acordos e pode votar ainda esta semana o projeto de adiamento das eleições para o da 15 de novembro, no primeiro turno. Após resistirem à aprovação da proposta já votada no Senado, líderes partidários da Câmara fecharam um acordo para permitirem o avanço do texto. Os deputados exigiram e conseguiram promessa de que o Senado vai aprovar um projeto de autoria do senador Jorginho Mello (PL-SC), que permite a volta da propaganda partidária na televisão. Com isso, a expectativa é de que o adiamento das eleições seja votado entre amanhã e quarta-feira (dia 1º).

O projeto retoma o espaço de 30 segundos no intervalo da programação nacional para divulgação de informações sobre os partidos.

O acordo também inclui um esforço nas duas casas para intensificar a ajuda financeira aos municípios. O objetivo dos líderes partidários é que o socorro financeiro da União para as cidades seja prorrogado até o fim do ano.
Essas mudanças já foram feitas pela Câmara e o Senado teria que aprová-las, garantindo mais R$ 5 bilhões às administrações municipais.

Com o acordo, as eleições devem ocorrer em 15 de novembro (primeiro turno) e 29 de novembro (segundo turno, nas cidades em que houver essa previsão e necessidade). Além disso, a PEC aprovada no Senado também cria uma possibilidade de que o pleito seja adiado até 27 de dezembro, em um turno suplementar, caso haja situação grave de calamidade por conta da pandemia em algum local.