Candidatos discordam do adiamento das eleições municipais

Cezar Negreiros

O deputado emedebista Roberto Duarte disse que diante da crise gerada pela pandemia do coronavírus, muito se tem falado sobre o adiamento das eleições municipais deste ano. Esclareceu que o  ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)  já se posicionou que, se for necessário adiar o pleito, que seja por poucas semanas. “O primeiro final de semana de dezembro é considerado a data-limite, para que não haja necessidade de prorrogar o mandato dos prefeitos e vereadores eleitos em 2016”, observou o parlamentar que pretende concorrer a sucessão municipal da prefeitura da capital acreana.

Para o presidente da Câmara Municipal Antônio Moraes, o mais importante nesse momento é concentrar o debate no combate desse vírus que é muito perigoso, mas que depois de passada a pandemia,  poderem trata da eleição deste ano. “Acho que tem quer ter eleição sim, mas só depois dessa pandemia”, destacou o presidente da Casa que concorre à reeleição.

O adiamento da eleição municipal deste ano,  ganha o apoio de peso do presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia que discorda da prorrogação dos mandatos. O presidente da Casa sinalizou a possibilidade de criação de uma Comissão Mista do Congresso Nacional para debater o assunto. “Os nossos esforços neste momento é ajudar a população desamparada”, observou o vereador socialista.

A eleição e a própria política, segundo o deputado Roberto Duarte, se baseiam no contato entre as pessoas. Então, não dá pra falar em eleições sem que haja reunião de pessoas em convenções partidárias, em campanhas nas ruas e nas seções eleitorais por conta da recomendação das autoridades de saúde pública do risco de proliferação da doença em aglomerações. “Toda decisão sobre adiamento das eleições depende de uma mudança na nossa Constituição Federal”, declarou. 

Duarte disse que muitas lideranças políticas têm priorizado os debates em ações em torno da pandemia, que considera prioridade nesse momento. Declarou que pretende aguardar o posicionamento dos parlamentares da Bancada Acreana (deputados federais e senadores). “Espero que eles pensem na democracia, na segurança e saúde dos eleitores para decidir o leito deste ano”, declarou o pré-candidato a prefeito de Rio Branco.