CGU apura escândalo de compra de álcool em Gel no estado. DEPASA é principal alvo


publicidade

O Acre foi o estado que mais comprou proporcionalmente, álcool gel para o combate à pandemia do COVID. Foi um exagero tão grande que a CGU abriu investigação para apurar alguns números incongruentes, quantidades absurdas compradas e indícios de superfaturamento e fraude na entrega do produto.

O Acre registrou a compra de 210.876 litros de álcool gel, ao custo total de R$ 4.813.348,70, ou seja, mais de R$ 4 milhões só na compra de álcool. Isso põe o Acre na liderança de compras de álcool por habitante e em sexto lugar no país em total gasto com o produto, acima de estados muito mais populosos, como Rio Grande do Sul, Paraná e Goiás.

Escândalo no DEPASA

A principal investigação da Controladoria Geral da União no estado, já tendo sido acionada a Polícia Federal, se dá no DEPASA, que emitiu nota fiscal apontando a compra de 100 litros de álcool gel por R$ 16.880,00, o que dá o preço unitário de R$ 168,8 por litro. Outra compra do mesmo produto pelo órgão relata 1,220 litros de álcool em gel, por R$ 18,10 o litro. Além da diferença de preços, do possível sobrepreço, não foram encontrados, até agora, no DEPASA, os estoques do álcool nas unidades do departamento e nem indícios de seu uso.

Há algumas semanas, o Sindicato dos Urbanitários, por meio do sindicalista Marcelo Jucá havia denunciado que os servidores do DEPASA eram obrigados a levar de casa sabão e álcool em gel, porque a autarquia não estava fornecendo. Uma investigação vai procurar as compras que teriam sido realizadas, segundo as notas de faturamento e pagamento.

O DEPASA se justificou dizendo que houve um equívoco na primeira nota e que preço de R$168,80, na verdade, se referia á caixa com 10 unidades de 1 litro, mas não apresentou o produto comprado, não havendo comprovação das alegações.

O álcool em gel poderá ser o grande escândalo da pandemia no Acre.