Cheia do Rio Juruá tira famílias de casa

O nível do Rio Juruá continua subindo em Cruzeiro do Sul. Neste domingo (25) o manancial chegou à marca de 13,30 metros, acima da cota de transbordo, obrigando algumas famílias a sair de casa.

Foto: Adelcimar Carvalho/G1

No bairro da Várzea, duas famílias foram retiradas pela Defesa Civil e mais três moradores saíram para casa de familiares.

A primeira família foi retirada na tarde de sábado (24), e deve receber o aluguel social. Mais três famílias do mesmo bairro decidiram sair por conta própria ainda na tarde de sábado.

No momento, a Várzea é a região com maior riscos para os moradores. Na manhã deste domingo, a equipe da Defesa Civil voltou ao local para avaliar a situação de mais duas moradias e teve que remover a família da desempregada Marcleide Silva. Desde sexta-feira (23), ela estava tendo que conviver com seus quatro filhos e uma irmã, com o assoalho de casa coberto pela água.

“Desse jeito não tem como ficar. Já passa bem um palmo do assoalho. Tenho crianças pequenas e não tenho como ficar dentro d’água”, lamentou Marcleide que disse que conseguiu evitar que os utensílios domésticos fossem afetadas pela água.

Foto: Mazinho Rogério/G1

A Defesa Civil também avaliou que a dona de casa Cristiane Silva precisa deixar com urgência o local onde mora. Por conta do desbarrancamento, a casa dela está a menos de 2 metros do rio e o barranco continua desmoronando.

“Não consegui dormir preocupada com nossos três filhos cair na água. Ali do lado está só o oco e a qualquer momento a minha casa cai. Não dá mais para ficar”, disse Cristiane que está negociando com a prefeitura para encontrar uma alternativa para abrigar sua família.

De acordo com a Defesa Civil, o município já tomou as medidas necessárias para dar assistência a todos os moradores que precisarem deixar as regiões que foram atingidas pela cheia do Juruá. Segundo o representante da Defesa Civil, as primeiras 30 famílias que precisarem sair, ficarão por conta do aluguel social.

“Se de repente acontecer do nível subir que venha a atingir muitas famílias, já temos também preparados abrigos coletivos para acomodá-las”, garantiu Melo.

Além da Várzea, os bairros Miritizal, Lagoa, Olivença, Boca do Moa, Estirão do Remanso e Cruzeirinho também já estão inundadas e a preocupação das autoridades é que, se o volume de águas continuar subindo, centenas de moradores precisarão sair de suas casas.

Foto: Mazinho Rogério/G1

Para evitar acidentes, a Eletrobras suspendeu o fornecimento de energia elétrica em algumas dessas regiões.

Previsão de vazante
O que traz uma esperança para as famílias que estão no risco de precisarem deixar suas moradias é a previsão do Corpo de Bombeiros de que a enchente do Juruá pode começar a perder forças nas próximas horas.

Segundo o comandante, capitão Rômulo Barros, a vazante em outros municípios indica que, em Cruzeiro do Sul o nível do rio também deve baixar nos próximos dias.

“Em Marechal Thaumaturgo e Porto Walter há uma vazante bastante acentuada que começou há três dias e é sabido que, após as 72 horas, a depender dos afluentes aqui mais próximos, nós recebemos também essa vazante e a expectativa é que até meia-noite do dia de hoje, tenhamos a estabilidade e ao amanhecer tenhamos os primeiros sinais dessa vazante aqui em Cruzeiro do Sul”, avaliou Barros. Com informações Juruáemtempo.