Cinco candidatos divulgaram os recursos que receberam para arcar campanha

Cezar Negreiros

Apenas cinco candidatos divulgaram os recursos que receberam para a disputa da prefeitura de Rio Branco. A prefeita Socorro Neri (PSB-AC) contará com 255mil de doação do Fundo Partidário e uma doação de um empresário do setor atacadista no valor de R$100 mil, que perfaz o montante de R$352.000,00, enquanto o deputado petista Daniel Zen (PT-AC), a quantia de R$192 mil do Fundo e 28 mil de doação de pessoas jurídicas que somadas chegam em torno de R$220.697,71.

Em contrapartida, o empresário Jarbas Soster (Avante) contará com uma doação do Fundo Partidário no valor de R$140 mil, o pastor Jamyl Asfury a quantia de R$100 mil do Fundo e o deputado emedebista Roberto Duarte divulgou apenas uma doação de recursos próprios no valor de R$15 mil. O candidato tucano, Minoru Kinpara (PSDB-AC) e o ex-prefeito Tião Bocalom (Progressistas-AC), não divulgaram nem mesmo os repasses do Fundo Partidário. 

O rateio dos recursos do Fundo Partidário não agradou os coordenadores das campanhas dos sete candidatos que estão no páreo da disputa da prefeitura de Rio Branco. O diretório estadual do MDB levou a maior bolada, com a quantia de R$4.500.000,00, enquanto o Progressistas desponta com R$ 2.184.969,39.

O PSB a bagatela de R$581.816,65, o PT recebeu a quantia de R$159.000,00, Avante, tocou R$132.100,00 e PSC ficou com R$100.000,00, mas apenas o Diretório Municipal do PSDB não deu nenhuma informação sobre os valores recebidos, nem disponibilizou os dados na página oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).   “O parco recurso disponibilizado já distribuímos entre os candidatos majoritários e proporcionais”, revelou o presidente regional do Partido dos Trabalhadores do Acre (PT-AC), Cesário Braga. 

Os partidos acreanos contam apenas com duas fontes de recursos públicos para financiar as campanhas nas eleições deste ano. O Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos  (FP), considerado uma das principais fontes de receitas  para a arcar com as despesas da campanha eleitoral. Os recursos destinados ao financiamento das campanhas eleitorais também podem ser usados no custeio das atividades rotineiras das legendas, como o pagamento de água, luz, aluguel e passagens aéreas dos dirigentes.