Coluna Acre em Foco

Manifestação fraca

Muito fracas nas duas primeiras vezes que ocorreram este ano (março e abril), a manifestação dos acrianos neste domingo contra o governo da presidente Dilma Rousseff, o PT e o ex-presidente Lula não empolgou de novo, mostrando a fraqueza política da oposição que a convocou.

 

Apenas 5% da santa

As 1,5 mil pessoas, que o Portal G1, da Globo.com, atribuiu à Polícia Militar de estarem nas ruas de Rio Branco, chegaram a apenas 5% das 30 mil pessoas que a PM de Cruzeiro de Sul estimou como participantes, no sábado, da procissão de encerramento do novenário de Nossa Senhora da Glória.

 

Debaixo de chuva

Isso sem levar em consideração que o percentual comparativo de Rio Branco teria sido ainda bem menor caso não tivesse chovido em Cruzeiro no início da procissão, o que acabou impedindo de muito mais fiéis comparecerem ao ato religioso na segunda maior cidade do estado.

 

Mais credibilidade

Ou seja, os acrianos dão muitas vezes mais credibilidade aos santos da Igreja Católica do que atos que possam ser realizados por uma oposição absolutamente desacreditada, que perdeu nas urnas para o PT por nada menos que cinco vezes, ficando escanteada do poder por duas expressivas décadas.

 

Fora do poder

O comparativo entre os eventos das duas maiores cidades do Acre pode ser considerado um sinal de que, se continuar perdendo tão feio para os santos católicos, a oposição acriana certamente prosseguirá amargando outros quadriênios fora do poder.

Leo de Brito

A Rádio CBN e a Agência de Notícias da Câmara dos Deputados destacaram ontem o seminário promovido em Rio Branco pelo deputado federal Leo de Brito (PT-AC) sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que tira do Executivo e passa ao Congresso a decisão final sobre demarcação de terras indígenas no país.

 

Comissão especial

O deputado promoveu o seminário porque integra a comissão especial que analisa a PEC e porque o Acre é a unidade da federação com a maior diversidade étnica, com 14 povos indígenas e possuidor de 3% de toda população brasileira de índios.

 

Terras indígenas

Além disso, como recorda o deputado federal Leo de Brito, as terras indígenas existentes no Acre correspondem a 14% da extensão territorial do estado. No Acre, também se encontram hoje 31 das 580 áreas indígenas existentes em todo o território nacional.

 

Mobilização normal

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, informou ontem que a mobilização de ontem (16) foi vista como “um fato natural dentro da normalidade democrática” e que o governo está trabalhando para superar as dificuldades que levaram os insatisfeitos às ruas.

 

Agenda positiva

Segundo o ministro Edinho Silva, neste momento, o governo está mais preocupado com a agenda positiva e a retomada do crescimento da economia. Ele destacou a ampliação do diálogo do governo com o Congresso e com os movimentos sociais, ressaltando que é preciso superar o clima de “pessimismo” sobre a atual situação política e econômica do país.

 

Regime democrático

“O governo tem lidado com as manifestações como fatos naturais de um regime democrático. Tem lidado com esses fatos dentro da normalidade democrática, e assim vamos continuar fazendo. Reconhecemos a importância da mobilização de ontem, mas o governo continuará trabalhando, construindo sua agenda”, assinalou Silva