Coluna Acre em Foco

PP quer cortar Bolsa Família

O Congresso Nacional foi surpreendido nos últimos dois dias com a proposta feita pelo deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), do mesmo partido do senador Gladson Cameli (PP-AC), de cortar nada menos que R$ 10 bilhões do programa Bolsa Família do Orçamento Geral da União (OGU) de 2016.

 

Partido de Gladson Cameli

O corte proposto pelo partido do senador Gladson Cameli representaria 35% ou mais de R$ 9 bilhões dos R$ 28,8 bilhões previstos pelo governo para atender, no próximo ano, as mais de 14 milhões de famílias brasileiras carentes que dependem do programa do Bolsa Familiar para sobreviver.

 

28 mil sem benefício

Para o Acre, o corte financeiro proposto pelo PP de Cameli representaria R$ 6 milhões a menos nos cerca de R$ 18 milhões que são repassados mensalmente pelo Bolsa Família, o que implicaria em deixar sem o benefício mais de 28 mil das quase 80 mil famílias que dele sobrevivem hoje no estado.

Resposta de Renan

A resposta mais consistente ao corte proposto pelo PP de Gladson, que prejudicaria sobremaneira a assistência social às famílias carentes de todos os municípios do Acre, veio ontem do próprio presidente do Senado e do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

 

Sem poder pagar

Segundo o presidente do Senado, “não se pode cobrar a conta de quem não pode pagá-la”. O senador alagoano considera importante que os políticos tenham bom senso para ajudar o Brasil a retomar, o mais rápido possível, o crescimento de sua economia.

 

Inversão não permitida

“Sempre tivemos muita preocupação com o ajuste e ele precisa ser qualificado. Ele não pode cobrar a conta de quem não pode pagá-la. É essa a inversão que não podemos permitir. O Congresso tem muita responsabilidade com isso”, disse Renan Calheiros.

 

PSDB também quer cortes

Além do Bolsa Família, outros programas, como o Minha Casa, Minha Vida, de grande interesse da população carente, também estão ameaçados de cortes com a recusa do PSDB do deputado Wherles Rocha e de outros partidos da oposição de aprovarem a nova CPMF, que o governo federal conta para promover o ajuste de suas contas.

 

Parar obras da BR-364

Além de ser contrário à nova CPMF, que evitaria cortes no Bolsa Família e no Minha Casa, Minha Vida, o deputado tucano Wherles Rocha, alegando irregularidades fictícias, também quer que a Procuradoria Geral da República pare as obras de recuperação da BR-364, entre Sena Madureira e Cruzeiro do Sul.

 

Posicionamento

Por falar no senador Gladson Cameli, setores da imprensa acreana já começam a cobrar o posicionamento do senador do PP e de seus colegas parlamentares Flaviano Melo (PMDB), Jéssica Sales (PMDB), Wherles Rocha (PSDB) e Alan Rick (PRB) em relação ao envolvimento do presidente Eduardo Cunha com roubalheiras.

 

Campanha e votação

Os cinco parlamentares do Acre fizeram campanha, se congratularam e votaram (com exceção de Cameli) com o peemedebista Eduardo Cunha na sua disputa pela presidência da Câmara, quando derrotou outros candidatos de outros partidos da base da presidenta Dilma no parlamento.

 

Tião ausente

O governador Tião Viana não deverá comparecer este ano ao Festival Yawa, que os índios Yawanawá promovem entre os dias 25 e 30 de outubro, em Tarauacá, com a participação de monges, artistas, empresários, jornalistas e ambientalistas vinculados a ONGs do Brasil e de várias partes do mundo.