Coluna Acre em Foco

Último estertor

Após o último estertor de ontem da oposição e dos partidos da chamada imprensa golpista para derrubar o governo, o ex-presidente Lula e o PT do poder, os movimentos sociais e a militância petista de todo o país se preparam para dar amanhã o troco nas ruas em defesa da democracia brasileira.

 

Grampo ilegal

O último estertor veio com o grampo ilegal realizado pela Polícia Federal contra a presidenta Dilma e o ex-presidente e agora ministro da Casa Civil Lula a mando do juiz Sérgio Moro, que será processado pela Presidência da República por ter infringido a lei a Constituição brasileira.

 

Orquestração

Após mais um espetáculo midiático proporcionado pelo juiz Sérgio Moro, que diariamente tenta jogar a população contra o governo eleito de forma legítima e democrática, o novo momento virá com os movimentos sociais mostrando nas ruas que tudo não passa de uma orquestração da oposição para consolidar o golpe contra a democracia.

 

Chegada de Lula

O último estertor golpista engendrado por Sérgio Moro foi destinado a evitar que, ao entrar no governo, o ex-presidente Lula comande as negociações políticas que podem contribuir para o Brasil sair da crise política e, finalmente, ter tranquilidade para fazer as mudanças que irão afastar a crise da economia nacional.

 

Medidas judiciais

Sobre o último estertor da oposição e de Sérgio Moro, a presidenta da República, Dilma Rousseff, divulgou nota à imprensa em que acusa o juiz federal Sergio Moro de afrontar a lei, ao divulgar um grampo contra ela. Dilma também anunciou que tomará todas as medidas judiciais cabíveis. Confira.

 

Sérgio Moro

Na nota publicada, a presidenta Dilma esclarece o que houve no telefonema que que deu ontem ao ex-presidente e agora ministro Lula, que foi gravado ilegalmente pela Polícia Federal a mando do juiz Sérgio Moro, que tem se concentrado em investigar e julgar apenas os políticos ligados ao governo.

 

Novos ministros

Segundo a nota, a cerimônia de posse do novo ministro está marcada para hoje, às 10 horas, no Palácio do Planalto, em ato conjunto quando tomarão posse os novos Ministros Eugênio Aragão, Ministro da Justiça; Mauro Lopes, Secretaria de Aviação Civil; e Jaques Wagner, Ministro-Chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República.

 

Termo de posse

“Uma vez que o novo ministro, Luiz Inácio Lula da Silva, não sabia ainda se compareceria à cerimônia de posse coletiva, a Presidenta da República encaminhou para sua assinatura o devido termo de posse. Este só seria utilizado caso confirmada a ausência do ministro”, assinalou a nota.

 

Teor republicano

E prossegue a nota presidencial dizendo que “assim, em que pese o teor republicano da conversa, (a presidenta da República) repudia com veemência sua divulgação que afronta direitos e garantias da Presidência da República”.

 

Autor do vazamento

E conclui dizendo que “todas as medidas judiciais e administrativas cabíveis serão adotadas para a reparação da flagrante violação da lei e da Constituição da República, cometida pelo juiz autor do vazamento”.

 

Crise política

Com as manifestações populares que se espera grande amanhã, o governo e o PT esperam minimizar o clima da crise política para ajudar o país a voltar a crescer economicamente ainda a partir deste ano, melhorando todos os indicadores da economia nacional.