Coluna Bom Dia

Briga

Um dia sim e o outro também a imprensa e as redes sociais registram mais um episódio dessa sucessão sem fim de brigas, confusões, declarações estapafúrdias do vice-governador. O Major Rocha vive na corda esticada das emoções, no limite, sempre. Desta vez o entrevero foi com o ex-aliado, coronel Ulysses.

Rompimento

Ulysses fez, enfim, o movimento que se esperava dele desde a convenção do PSL, onde ele foi quase humilhado pela imposição da candidatura do vice Celestino Bento, que não tinha vínculos políticos com o partido. Naquele momento Ulysses tirou por baixo, mas o processo estava em ebulição. Só o roteiro que podia parecer imprevisto.

Apoio

O apoio de Ulysses a Socorro Neri, na verdade, não é tão inesperado como pode parecer. Em suas redes sociais, ontem, a prefeita reafirmou o caráter suprapartidário de sua candidatura, a única que pode se apresentar assim.

Estrutura

Entre os cinco principais candidatos, Socorro Neri é a única que não tem uma forte e tradicional estrutura partidária a lhe dar sustentação. O PSB é um partido de médio porte, assim como o são as demais legendas unidas em torno dela. O que dá força a sua pretensão é uma conduta ilibada, as ações nos dois anos em que foi prefeita, com realizações comprovadas, na conduta durante a pandemia e o apoio forte e também apartidário do govenador Glad-son Cameli.

Natural

Por isso, pode ser visto como natural esse movimento de aproximação de Ulysses da campanha de Socorro. Não se trata de questão ideológica – aliás é bom que essa característica fique de fora da sucessão – mas da possiblidade de convergência de propostas, da construção de um novo grupo político a partir de pessoas e não de posições políticas fechadas e maniqueístas.

Exagero

Por isso, foi exagerada a reação do vice-governador tachando o coronel de comunista. Chega a ser uma contradição em termos. Recebeu um troco violento, com Ulysses pondo em dúvida sua sanidade. Rocha não está insano. Está apostando alto, pondo todas as fichas em uma só mão do jogo. Pode se dar bem, mas pode se dar mal. Não costuma ser bom brigar até com a sombra.

Conciliação

De tempos em tempos aparecem políticos que apostam na crise, na tensão, no histrionismo como estratégia para crescer. Essa postura, geralmente, garante um rápido crescimento, popularidade e espaço, mas raramente se prolonga no tempo. É como uma tempestade acreana. Dá uma rajada forte de chuva e vento, causa tumulto, mas logo passa e o tempo volta ao normal.

Exemplos

Na política brasileira isso aconteceu com Jânio, depois com Collor, com Lula, nos primeiros tempos radicais de líder sindical. Todos tiveram vida curta, menos Lula que só chegou ao poder quando incorporou o Lulinha Paz e Amor. Com Bolsonaro o caminho deve ser o mesmo. Terá que amansar a fera interior ou levará o país à exaustão, se queimando junto com a fogueira política. O mesmo acontece com Rocha. Não dá para acumular tantos desafetos impunemente.

Operação

A Polícia federal desencadeou operação para apurar desvios, formação de quadrilha, fraudes e corrupção na Assembleia e empresas terceirizadas. Dez servidores de alta cúpula em administrações passadas foram afastados. Um véu de silêncio ainda encobre os alvos e as provas.

Calados

Pelo sim, pelo não, as forças políticas, de todos os partidos estão na expectativa, ninguém quis se manifestar. Não se sabe de que forma essa operação terá impacto nem quem vai atingir na política local. Todo mundo está ressabiado, esperando que a bomba es-toure no quintal do adversário.

Morte

Precisa ser esclarecida com urgência a morte do primo do candidato Minoru Kinpara, fuzilado na porta de sua casa. O crime tem característica de execução e pouca possibilidade de ter motivação política. Mas precisa ser investigado com rigor. Essa morte não pode contaminar a campanha.

Estrada

O governador Gladson Cameli foi a Manaus tratar com o governador Wilson Lima a construção da estrada entre Feijó e Envira, de grande importância para a região. É coisa simples e de pouco impacto ambiental.

Problemas

O único problema é a situação política do governador Wilson Lima, que se balança no cargo e tem pouca mobilidade política.

Bolsonaro

Um alerta para os candidatos que querem fazer do presidente Bolsonaro um cabo eleitoral nessas eleições. São raras as capitais em que essa proximidade está dando certo. Em São Paulo, Russomano está ladeira abaixo e já perde de Bruno Covas, ameaçado por Boulos, do PSOL. No Rio de Janeiro, Crivella está em terceiro lugar e em Belo Horizonte Bruno Engler marca 3%.

Pesquisas

O instituto Data Control está realizando pesquisa em Cruzeiro do Sul, Feijó e outros municípios e vai para o vale do Acre. Muita expectativa.

Debate

Um dos pontos altos da campanha será o debate entre os cinco principais candidatos a ser realizado por iniciativa tradicional do DCE/UFAC. O encontro será no sábado, às 19h, no Teatro Garibaldi Brasil com transmissão pelo Youtube e Instagram do DCE e da UMES.

Blocos

O debate será feito em blocos, com cinco minutos para a apresentação de cada um, perguntas feitas por estudantes, debate entre candidatos e conclusão. Será uma oportunidade de se conhecer o pensamento e as propostas de cada um.

Vacinação

A Prefeitura de Rio Branco realiza no próximo sábado, 24, mais uma ação da Campanha Nacional de Multivacinação, com ponto de vacinação no Via Verde Shopping. Estarão disponíveis a vacina contra Poliomielite e a multivacinação para atualização da caderneta de vacinação da criança e do adolescente.

Explicação

A secretaria da Educação divulgou nota explicativa ontem, para rebater denúncia de possível superfaturamento na compra de computadores para as escolas. Comprovou que, por causa da variação do preço do dólar, na verdade, a compra gerou economia de R$ 400 mil.

Documentos

Os documentos a respeito da compra já foram remetidos ao TCE atestando a legalidade e transparência do processo. Tem gente interessada nem caçar pelo em ovo, que quer inviabilizar todas as iniciativas que beneficiem a população.

Escolas

Embora as escolas particulares estivessem esperando a reabertura para hoje, nada está decidido. Tudo vai depender de autorização do Comitê do CoviD e, em última análise, da justiça. Muitos pais estão com temor de mandar os filhos aos colégios.

Números

Não é brincadeira. Três em cada cem acreanos foram infectados pelo COVID, São quase 700 mortos. Não se pode brincar com as estatísticas. E tem gente que ainda nega a epidemia.