Coluna Bom Dia

Sem entender

Foi uma aposta muito arriscada a da campanha de Bocalom de retirar o candidato do último debate, faltando 48 horas para a eleição. Às vezes, excesso de confiança mais atrapalha do que ajuda. Não havia razão prática para Bocalom não ir, a não ser a lembrança do seu debate com Tião Viana, em longínqua eleição que, daquela vez, selou seu destino, perdendo por poucos votos.

Ontem e hoje

Naquela época, Bocalom perdeu a eleição no debate final, por não ter ido bem. Nessa, corre um risco desnecessário não indo falar a seus eleitores na última oportunidade.

Movimento

Já diziam Ulisses Guimarães e o bruxo do baixo Acre, Luiz Pereira que a política é como nuvens, muda a toda hora. Ontem sentia-se uma forte movimentação nos céus e nas camadas profundas do solo político acreano. Quem estava desesperançado, voltou a acreditar.

Declaração

Tudo fruto de uma declaração desastrada de Bocalom em uma emissora de TV. A tal da afirmação de que as aulas deveriam voltar e que todos deveriam pegar a Covid. Foi um terror. Dificilmente alguém poderia falar algo tão polêmico com uma eleição que estava na mão, com quase o dobro de inten-ção de votos do adversário.

Desmentido

A campanha bem que tentou afirmar que era fake news, mas as imagens da TV 5 eram claras. Bocalom disse o que disse, para desespero de sua campanha.

Tal qual

Nesse episódio, não dá para fazer igual ao presidente Bolsonaro que foi tentar explicar ontem que nunca chamou a Covid de gripezinha e imediatamente mostraram as agravações dele afirmando exa-tamente isso, duas vezes. É o tal pega na mentira. Desnecessário.

Cuidado

A declaração de Bocalom foi um vacilo não só dele, mas da campanha. O segredo da vitória é a eterna vigilância. Uma entrevista tem que ser preparada nos menores detalhes, a campanha deve delimitar o alcance dos temas. Falharam. Deixaram o candidato sem cobertura, sem parâmetro, deu no que deu. A campanha de Bocalom, que havia sido simples e quase perfeita em sua efetividade, vacilou.

Entrevista

A coluna está fechando antes da entrevista de Socorro Neri à TV Acre, que vai substituir o debate. É uma chance de ouro, se ela soube aproveitar, cria emoção na reta final da campanha.

Lá e cá

Em São Paulo, onde a campanha também está quente e o debate era ansiosamente aguardado, o anticlímax, com cancelamento. Bou-los testou positivo para o coronavírus e, com isso, Covas pode frear a tendência de emparelhamento na reta final das urnas. Para os estudiosos da comunicação, uma campanha a ser estudada no fu-turo. Mostra a força das redes na ascensão de Boulos.

Erundina

A candidata a vice de Covas, Luiza Erundina, esteve no Acre na véspera da eleição de Edmundo Pinto, quando era prefeita de São Paulo. Veio fazer a campanha do então fenômeno quase desconhecido Jorge Viana. Edmundo, em vez de atacar Erundina, pagou espaço em jornal para declarar boas vindas, elogiou e no final disse que a presença dela era bem vinda para conhecer o Acre, porque ela não sabia dos problemas do estado e de seu povo. Desmontou a armadilha e Erundina nem pôde criticar. E Edmundo ganhou a eleição sem baixaria.

Despedida

Os últimos programas eleitorais foram muito bons, de um lado e de outro. Essa seria uma campanha para se focar em propostas e não em baixarias, mas hoje nesse país tudo descamba para esse confronto ideológico mesquinho.

Excelente ideia

A coluna considera uma das melhores ideias desse governo Gladson Cameli a proposta de substituir carros oficiais por serviços de cooperativas de taxistas e motoristas de aplicativos. É o que se chama matar dois coelhos com uma só cajadada. Ao mesmo tempo em que gera economia com compra e manutenção da frota de carros oficiais, estimula a geração de renda para centenas de motoristas nas 22 cidades do Estado.

Esperto

Sem contar que o governador ganha o apoio da categoria dos taxistas e motoristas, o que é sempre fundamental. É voz corrente que a popularidade de um governo se mede pelo apoio que tem entre os taxistas e motoristas de aplicativos, que conversam com deus e o mundo e podem tanto elogiar como destruir reputações.

Documentos

A isso se soma a ideia, já ensaiada, de usar mototaxistas e motoboys para levar, entregar e pegar documentos entre os vários órgãos e secretarias, modo simples, prático e eficiente de agilizar procedimentos. Ou seja, o governo faz o que todo cidadão procura quando precisa de deslocamento ou compras. Excelente.

Essas e outras

Por essas e outras é que o governo segue bem avaliado. O governa-dor é sensível à voz das ruas, sabe ouvir e sabe a hora de fazer.

Depasa

Parece que Gladson está mesmo empenhado em resolver o crônico problema de água da Capital. Depois de trocar toda a direção do Depasa, anunciou para a próxima semana a normalização da ETA 2 e garantiu recursos para reforma e manutenção dos equipamentos. Quer moralizar e botar para funcionar o sistema de abastecimento na Capital.

Brasília

O governador fez ontem um bate e volta em Brasília para reuniões, entre elas, conversas sobre vacinas. A tal vacina de Oxford está dando problemas e não se sabe ainda se vai estar disponível logo.

Black Friday

Todo mundo reclamando de dinheiro, mas as vendas prometem ter sido boas na Black Friday. O governo ter adiantado o salário foi decisivo para o comércio. Mas houve também muita oferta fake, tipo metade do dobro.

Desemprego

O desemprego no Acre atingiu 17,1%, a segunda maior taxa desde 2012. Maior que a do Brasil como um todo, que chegou a estratosféricos 14,3% Vamos ver o que vão inventar agora. A Reforma Trabalhista ia garantir mais empregos e nada. A Reforma da Previdência ia ser uma usina de empregos, a desoneração da folha a salvação, e nada. Vamos ver o que vai cair na cabeça do trabalhador com mais promessas vãs.

Aumento

Em um ano, em comparação com o mesmo trimestre de 2019 (12,8%) o desemprego subiu 4,3 pontos percentuais no Estado. A população desocupada chegou a 57 mil pessoas, aumento de 26,6% (12 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2019. Repetindo, em um ano, 12 mil pessoas perderam o emprego no Acre. A população ocupada recuou para 276 mil, o menor contingente da série.

Desalentados

Um dado ainda mais preocupante. O contingente de pessoas desalentadas – que não buscaram trabalho, mas que gostariam de conseguir uma vaga e estavam disponíveis para trabalhar – tam-bém atingiu recorde no último trimestre no Acre e agora soma 48 mil. O desalento segue aumentando: 2 mil pessoas entraram no desalento em comparação ao tri-mestre anterior.

Covid

No dia em que o Estado registrou mais 452 novos casos de contaminação pelo novo coronavírus, sem nenhum óbito, o Comitê de acompanhamento manteve bandeira amarela para a região de Rio Branco e baixo Acre, a classificação de amarelo para o Juruá e avançou em zona verde para o Alto Acre. Mas voltou a recomendar todo o cuidado à população.