Covid-19: Imunização no Brasil pode começar em dezembro

Imunizante produzido por empresa chinesa em parceria com o governo de São Paulo mostrou-se seguro em estudos clínicos. Vacina será aplicada antes da virada do ano caso seja aprovada pela Anvisa.

CORONAVAC – Imunizante mostrou-se seguro em estudos e 94,7% dos voluntários não apresentaram qualquer efeito adverso

A potencial vacina contra a covid -19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac mostrou-se segura em estudos clínicos realizados na China e a expectativa é de que, uma vez comprovada sua eficácia e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a aplicação dela no estado de São Paulo comece na segunda quinzena de dezembro, disse ontem o governador paulista, João Doria (PSDB).

Em entrevista coletiva, João Doria (centro) destacou eficácia da vacina CoronaVac

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Doria disse que, em estudos com 50 mil voluntários na China, 94,7% deles não apresentaram qualquer efeito adverso.

“Estudos clínicos comprovam segurança da vacina CoronaVac, 94,7%… De mais de 50 mil voluntários testados na China não apresentaram qualquer sinal adverso em relação à vacina CoronaVac”, disse Doria.

De acordo com o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, responsável pelos estudos com a vacina no Brasil, ainda é necessário aguardar a conclusão da fase 3 de ensaios clínicos para se ter informações sobre a eficácia da vacina – que já mostrou-se eficaz em etapas anteriores.
Também presente na coletiva, o chefe da Sinovac para a América Latina, Xing Han, disse que a expectativa é que os resultados dos ensaios clínicos de fase 3 saiam daqui a um a dois meses.

O governador disse também que a potencial vacina mostrou eficácia de 98% em testes de etapas anteriores e que, no estudo brasileiro, até o momento nenhuma reação adversa foi registrada.

“Deveremos, por óbvio, aguardar a f inaliz ação desta terceira e última fase de testagem, os seus resultados e, obviamente, a aprovação da Anvisa. Mas já em dezembro, na segunda quinzena, poderemos iniciar a imunização de acordo com critérios de vacinação adotados pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e dentro do protocolo também do Ministério da Saúde”, disse.

Número de voluntários é ampliado

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o aumento do número de voluntários nos estudos com a potencial vacina contra a covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, cujos ensaios clínicos no Brasil são liderados pelo Instituto Butantan, informou a assessoria de imprensa do órgão regulador em nota nesta quarta-feira.

A testagem será ampliada de nove mil pessoas para 13.060 voluntários e o estudo com a vacina chinesa será feito também nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Atualmente, a testagem já é realizada em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal.

A Sinovac é uma das vacinas mais promissoras no combate à covid-19 em testagem no país. Outra importante é a desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, que é a principal aposta do governo federal e também está sendo testada no Brasil em estudo liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

No comunicado, a Anvisa anunciou também que a vacina desenvolvida pela Janssen-Cilag, do grupo Johnson & Johnson, que hoje é testada em sete estados brasileiros, terá a participação de mais quatro estados nos testes. Foram incluídos nesta lista Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Santa Catarina e também o Distrito Federal.