COVID fecha 352 empresas e causa milhares de demissões no Acre

Até agora, 353 empresas deram baixa na Junta Comercial do Estado do Acre (Juceac) nos últimos seis meses deste ano, sendo que 157 empresas fecharam as portas somente no período crítico da pandemia, entre o mês de março até o dia 31 de maio deste ano, conforme as solicitações encaminhadas para Junta Comercial. Apesar dos esforços das autoridades, o estado registrou um saldo negativo nos últimos quatro meses do emprego com carteira assinada, mas os setores mais penalizados foram: serviço e comercial, que registraram milhares de demissões.

O levantamento apontou que em fevereiro 1.287 trabalhadores acreanos solicitaram o seguro-desemprego, enquanto em março fechou com 1.146 solicitações do benefício. Durante a vigência da quarentena em todos os municípios acreanos, o mês de abril fechou com 1.293 pedidos do seguro desemprego, mas no mês passado chegou em torno de 1.372 solicitações do abono, mas somado os três meses da vigência do isolamento social foi registrada a perda 3.811 postos de trabalhos com carteira assinada no Acre.

21 mil empresas acreanas optaram pela Medida Provisória de Flexibilização da Jornada de Trabalho e Redução Salarial, conforme um levantamento disponibilizado pelo Ministério da Economia. Estes indicadores refletiram positivamente nos pedidos de seguro-desemprego de junho que caiu para apenas 1.060 solicitações do benefício. Quem perdeu o emprego deve ligar para a OCA: 3215-2442, 3215-2448 e 3215-2419.