COVID leva crise aos produtores da agricultura familiar

A Pandemia está provocando uma severa crise na produção de alimentos o entorno de Rio Branco. A causa seria a dificuldade de venda e comercialização da produção. O sindicato rural de Rio Branco estima uma queda 50% da produção local de frutas, verduras e hortaliças, especialmente no cinturão verde da capital. Segundo o sindicato, muitos produtores estão abandonando os roçados e pedindo empregos em fazendas e até na cidade. A situação é tão crítica que as famílias estão vivendo de escambo. troca de produtos e serviços, comum em situações de escassez de dinheiro. sem que haja dinheiro.

Segundo Fátima Maciel, presidente do sindicato rural, quem tem feijão estocado, que não conseguiu vender troca por arroz com o vizinho, e, assim os pequenos produtores vão se mantendo. “Temos que fazer assim para não passar fome. A sorte é que a terra dá o que a gente precisa para se sustentar, porque perdemos todo o nosso comércio”, indagou.

A pandemia forçou o fechamento dos mercados e os ribeirinhos e pequenos produtores deixaram de levar seus produtos para venda. Sem feiras e os mercadinhos fechados, não havia como vender os produtos.

O sindicato cobra ajuda do governo. O governo do restado anunciou esta semana um programa para compra de alimentos de pequenos produtores. Um dos objetivos é fortalecer a agricultura familiar no Acre. Serão investidos R$ 7,5 milhões, direcionados aos pequenos produtores, Os alimentos serão doados para população carente. O programa tem o apoio do Banco Interamericano e os produtores podem procurar os órgãos de produção do estado para se cadastrarem para a venda.