Debate de uma nota só

Por Socorro Camelo

O primeiro debate entre os candidatos à prefeitura foi, já à primeira vista, muito didático, em relação aos paradoxos da nossa sociedade.

Enquanto as mulheres são mais da metade da população, só temos uma mulher entre tantos candidatos nessa eleição. Uma discrepância reveladora do machismo estrutural que reina entre nós e dos obstáculos que qualquer mulher tem que enfrentar para ter sua atuação política reconhecida.

Isso sem falar da coleção de absurdos e baixarias que circularam nas redes enquanto acontecia o debate, muitas também com esse mesmo viés preconceituoso e retrógrado.

Mas, além disso, o debate teve o condão de revelar também a baixaria agressiva dos que tiveram seus interesses econômicos e politicos contrariados por uma gestão séria e responsável.

Assim como revelou também a imensa dificuldade que muitos políticos tem de renovar suas pautas e propostas e insistem em contar vantagem sobre gestões que não cumpriram tudo o que prometeram ou não chegaram nem perto da realidade que eles tentam inventar.

Mas, de tudo e por tudo que pudemos ver nesse debate, ficou evidente a necessidade e urgencia de uma profunda mudança na cultura política desse país. Começando pela superação desse machismo estrutural que nos assola.

Entre a paisagem ilusória da Paris dos Trópicos, a progressista bocalândia; a pregação do pastor apático num ambiente que deveria estar à vontade; a raiva incontida do empresário contrariado em seus interesses nem tão republicanos assim e as manhas e mumunhas de um político incapaz da autocritica. Fica a sensação que só restou a coragem de uma mulher que enfrenta a todos com ética e peito aberto.

Socorro Camelo é Jornalista (065 DRT) – Fonte: Acreaovivo.com