Desmatamento na Amazônia cresce 34% em relação a 2019 e 49% acima da média

O desmatamento na Amazônia voltou a crescer no mês de maio, completando 13 meses consecutivos de aumento em relação aos mesmos meses do ano anterior, apontam dados do Inpe (Instituto de Pesquisas Espaciais). O Brasil vive a maior devastação da história durante o atual governo.

De acordo com o INPE, houve alertas de desmatamento para 2.032 quilômetros quadrados (km²) de janeiro a maio, a maior área para o período desde 2015, quando teve início a série histórica do sistema Deter-B. Entre 1º de janeiro e 31 de maio, houve alertas de desmatamento para 2.032 km² no bioma. A área devastada é 34% maior que a do mesmo período no ano passado (1.512 km²) e 49% acima da média dos quatro anos anteriores (2016 a 2019), que foi de 1.363 km².

Em maio, as áreas sob alerta, somaram 829 km². O Pará responde por 344 km², seguido pelo Amazonas, com 182 km², e o Mato Grosso, com 177 km². Em comparação com o mês de abril, os alertas de desmatamento mais que dobraram, com um aumento de 103%. E ainda está longe o período crítico das queimadas, que geralmente acontecem no segundo semestre.

Por isso, no cumulado dos últimos 10 meses, que levam em conta este período crítico de queimadas do ano passado, o cenário de aumento da devastação é ainda pior.

Entre agosto de 2019 e maio de 2020, segundo o calendário de monitoramento do desmatamento do sistema Projeto de Estimativa do Desflorestamento da Amazônia (Prodes) do Inpe mostra que o desmatamento foi de 6.499 km², um aumento de 78% em comparação ao período anterior (agosto de 2018 a maio de 2019), quando foram desmatados 3.653 km².

Faltando dois meses para o fechamento do calendário de medição do sistema Prodes, o acumulado nos dez meses do calendário atual indica alertas de desmatamento para 6.499 km², um aumento de 78% em comparação ao período anterior (de agosto de 2018 a maio de 2019).

Em 2019, com o fechamento do calendário do Prodes, o recorde de desmatamento registrado foi de 29,5% em comparação ao período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018). Ao todo, foram desmatados 9.762 km². O índice de confiança do monitoramento Prodes é superior a 95%.