Dnit/Acre retoma trabalhos de recuperação da Rodovia do Pacífico

Cezar Negreiros

O Acre conta com mais de 1.500 quilômetros de estradas federais, mas quase todos apresentam problemas na malha viária, segundo reclamação dos os motoristas que trafegam pela região da Amazônia Ocidental.  Para amenizar o problema, o Ministério da Infraestrutura liberou o montante de R$40 milhões para que a superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Acre (Dnit/Acre) continue o trabalho de restauração da BR-317. A empreiteira contratada tem até o fim de outubro deste ano, para restaurar a rodovia federal e aplicar a pavimentação asfáltica num trecho de 23 quilômetros que começa no entroncamento de Xapuri até chegar ao perímetro urbano do município de Epitaciolândia. 

Parte dos recursos liberados pelo governo federal será usada na Operação Tapa-Buraco ao longo dos 407 quilômetros da rodovia federal que começa na Linha Cunha Gomes (divisa do Acre, com Amazonas) e vai até município de Assis Brasil (na fronteira do Peru). “Restauramos no ano passado um trecho de 29 quilômetros (entre o município de Capixaba até o entroncamento de Xapuri), mas agora damos continuidade ao trabalho suspenso no ano passado com a chegada do período invernoso”, observou o superintendente do Dnit/Acre, Carlos Henrique de Assis Moraes.

Os trabalhos de restauração da BR- 317 serão  executados pelas equipe do próprio Dnit, pois desde o ano passado que o órgão vinha fazendo o trabalho de manutenção da Rodovia do Pacífico, com a operação tapa-buraco e os serviços de roçagem dos acostamentos até o município de Capixaba.  A previsão de gastos da restauração desta rodovia federal estava orçada em torno dos R$ 300 milhões,  para ser executado num período de cinco anos, a primeira parcela prevista para ser liberada no ano passado era de R$ 50, mi, mas devido um contingenciamento de 20% dos recursos do governo federal, só foi liberado apenas a quantia de R$ 40 mi. Os trechos que não estão no cronograma para serem restaurados, eles passarão por manutenção (reparos), como ocorre atualmente, nos municípios do Vale do Alto Acre.