Dos 24 senadores alvos da Lava Jato, 17 devem tentar a reeleição


publicidade

Senado Federal conta com 81 parlamentares, ou seja, três por cada unidade da federação, que cumprem mandatos de oito anos. Nas próximas eleições, cada Estado e o Distrito Federal vão eleger dois deles, o que significa dois terços do total, o equivalente a 54 políticos. De quatro em quatro anos, uma parcela da Casa é renovada. Em 2014, 27 nomes, ou um terço das vagas, venceram o pleito. Cada unidade federativa elegeu, portanto, um senador.

Senado Federal/Divulgação

Entre os que concorrerão a uma vaga no Senado, nas próximas eleições – que terão um número recorde de candidatos tentando a reeleição -, 17 dos 24 parlamentares estão envolvidos na Lava Jato e correm o risco de ficar sem o foro privilegiado. Poderiam, então, ir parar nas mãos do juiz Sérgio Moro, responsável pela força-tarefa em Curitiba.

Além dos presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF), deputados, senadores, ministros e o procurador-geral da República só podem ser investigados ou processados no STF; enquanto os governadores vão para o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No mês passado, no entanto, o Supremo mudou o entendimento e resolveu restringir o foro para deputados e senadores, que só passam a responder na Corte se as infrações penais das quais são suspeitos tiverem ocorrido em razão da função e durante o mandato. Caso contrário, os processos deverão ser remetidos para a primeira instância da Justiça.

Entre os políticos citados na Lava Jato e que disputarão a reeleição estão os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Romero Jucá (MDB-RR), campeões de inquéritos abertos pelo STF, de acordo com o Estado de S. Paulo.