Dupla é presa com uma tonelada de maconha em embarcação no AM

As forças policiais também contaram com o apoio do cão farejador Odin, da Receita Federal | Foto: Divulgação

Segundo a polícia, droga estava avaliada em R$ 8 milhões e o prejuízo para o narcotráfico foi fruto de uma investigação de dois meses

Iranduba – Eduardo Oliveira Simões, de 37 anos, e Ismael de Souza da Silva, 51, foram presos enquanto transportavam uma tonelada de maconha do tipo skunk no porto de Iranduba, a 27 quilômetros de Manaus. A apreensão da droga aconteceu na madrugada de domingo (8), após ação da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e da Polícia Civil do Estado.

O delegado Paulo Mavignier, titular do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc), explicou que a droga estava avaliada em R$ 8 milhões e o prejuízo para o narcotráfico foi fruto de uma investigação de dois meses.

As forças policiais também contaram com o apoio do cão farejador Odin, da Receita Federal, que indicou que havia substâncias ilícitas no porão do barco.

“As equipes fizeram a abordagem da embarcação na Ilha da Paciência, em Iranduba, e encaminharam até o porto. O cão Odin fez uma varredura em todo o convés da embarcação e rapidamente sinalizou que teria entorpecentes entre o comando da embarcação e um tanque de gelo, onde havia uma carga grande de pescado, foi feito a abertura da área e identificados os pacotes de drogas”, explicou o delegado.

Mavignier informou, ainda, que um dos suspeitos já havia sido preso antes pela Polícia Federal, também por narcotráfico. Agora os trabalhos devem prosseguir para tentar identificar qual seria o destino da droga e o proprietário da embarcação.

“Vamos aprofundar as investigações para identificar as pessoas que estavam destinadas a receber esses entorpecentes e quem foi que enviou. E futuramente fazer uma operação para prender todo esse grupo criminoso”, disse.

Ismael e Eduardo foram autuados em flagrante por tráfico de drogas. Após os trâmites na unidade policial, eles serão encaminhados para a Central de Recebimento e Tiagem (CRT), onde ficarão à disposição da Justiça.

Daniel Landazuri | Em Tempo