Embrapa tem tecnologia para ajudar viabilizar empreendimento de agroindústria mineira

Cezar Negreiros

Os pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/ Acre) devem dar suporte técnico ao empresário, Edson Trebeschi que manifestou interesse em investir no estado com a plantação de alguns produtos agrícolas que têm potencial de processamento industrial para atender o mercado atacadista da região Norte. O cultivo de tomate com o uso da tecnologia de hidroponia tem apresentando resultados animadores aos pequenos produtores de Mâncio Lima, a atividade econômica pode ser uma nova opção para o prefeito Tião Bocalom que busca atrair agroindústria para explorar o potencial econômico da região do Vale do Acre.

A atividade hidropônica tem colocado no mercado tomates gourmet sem risco das variações sazonais da safra e entre safra. No cultivo hidropônico, segundo os especialistas consultados, o controle de nutrição da planta e melhores condições ambientais no interior da estufa, reduz drasticamente o risco das pragas e doenças mais comum ao tomateiro em regiões com maior umidade. Com a utilização de sementes híbridas com maior potencial genético, o aumento da produtividade e ganhos na qualidade do produto que chega a mesa dos consumidores.

A Embrapa/Acre chegou prestar assistência técnica para alguns produtores rurais radicados nos municípios do Vale do Juruá, que apostaram no projeto Tecnologias Sustentáveis para o Fortalecimento da Horticultura na Amazônia (Hortamazon). O projeto mantido pelo Fundo Amazônico capacitou alguns produtores que trabalhavam com a cultura do tomate, enquanto outros optaram por uma produção diversificada, como cultivo de pimenta-de-cheiro e salsa entre outras hortaliças comercializáveis nos mercados de Cruzeiro do Sul. A Chácara do Vô Raimundo participou do projeto-piloto, com o cultivo de pepinos. A família começou em 2008, com a cultura do tomateiro, mas a murcha bacteriana trouxe severos prejuízos.

Expansão – A empresa Trebeschi sediada no interior de Minas Gerais conta com mais de 1,2 mil hectares cultivada de tomate anão e legumes nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Bahia e Ceará que trabalha com o processa de milho, pimentão, abóbora e alho. A indústria de processamento de alimentos conta com um portfólio de cerca de 40 produtos comercializados com as redes de supermercados das regiões Sudeste e Nordeste.