Escolas da rede municipal não estão adaptadas para retorno das aulas presenciais

Cumprimento de protocolos de segurança deve ser prioridade

Cezar Negreiros

Apesar da intenção da Secretaria Municipal de Educação (Semsa) de retomar as aulas presenciais no próximo mês, as escolas e creches da rede municipal não estão adaptadas para cumprimento dos protocolos de biossegurança. Cerca de 60% dos trabalhadores em educação no estado fazem parte dos grupos de risco, mas os professores e funcionários de escola da rede municipal podem retornar ao trabalho, mesmo não tendo sido imunizados contra o covid-19.

Afinal, falta os Equipamento de Proteção Individual (EPI’s) dos professores e funcionários de escola, a aquisição das máscaras de proteção dos alunos, compra de álcool gel para assepsia da comunidade escolar, compra dos medidores de temperatura e a sinalização das salas e corredores para evitar aglomerações. “Os professores retornam no dia 1º de fevereiro para participar da nossa capacitação, porque temos de terminar o ano letivo do ano de 2020 previsto para encerrar no mês de abril”, revelou a professora Nabiha Bestene, secretária municipal de Educação.

A rede municipal conta com aproximadamente 25 mil alunos matriculados no ensino fundamental –I, mas 10 mil fazem parte das famílias assistidas pelo Programa Bolsa Família (PBF). A gestora disse que está previsto uma carga horária de 480 horas, com cinco horas diárias para os alunos que estão terminando o fundamental –I. A ideia, segundo ela, é combinar o sistema híbrido (presencial e não presencial) para cumprimento das 200 dias, estipulado pela Lei de Diretrizes de Base da Educação Básica (LDB). “O nosso lema é cuidar e educar, mas o retorno respeitará a orientação do Comitê Acre sem Covid”, observou a professora Nabiha.

Orientação

O decreto do Comitê Acre sem Covid recomenda o retorno gradual de forma escalonado, com horários diferentes, mas respeitando o quantitativo de 30% de alunos matriculados por turma do 5 Ano do ensino fundamental- -I. A obrigatoriedade do uso de protetor facial dos professores e nas carteiras dos estudantes, além do distanciamento de cada aluno para evitar o risco de aglomeração no interior da sala de aula.

Será permitido o retorno das aulas presenciais para os alunos que estão terminando o 5º Ano do ensino fundamental-I, inclusive das crianças e adolescentes que estão tendo dificuldade de aprendizagem na plataforma do sistema remoto desde que seja respeitado os protocolos determinados pelas autoridades de saúde. A flexibilização permitida pelo Comitê Acre sem Covid, no entanto, deixou duas opções, a primeira dos alunos assistirem as aulas presenciais, enquanto a segunda pelo sistema remoto com o uso da tecnologia, mas a decisão definitiva caberá aos pais dos alunos de mandarem os filhos para a escola ou não.