Escolas privadas apostam na retomada das aulas presencias

Cezar Negreiros

Com a retomada das aulas presenciais a partir da próxima segunda-feira, dia 16, os estabelecimentos de ensino privados esperam conter a desistência dos alunos e evitar aprofundar a crise. Antes da chegada da pandemia no estado, as escolas particulares contabilizavam 15 mil alunos matriculados da pré-escola, no ensino fundamental e médio. Esse número caiu consideravelmente – as escolas saberão agora a extensão desse problema – depois que as aulas foram suspensas em razão da COVID 19

Muitas escolas de ensino infantil tiveram de fechar as portas em decorrência da desistência dos alunos e atraso do pagamento das parcelas das mensalidades. A inadimplência em algumas escolas privadas girava em torno de 30%, enquanto em outras chegou à casa dos 60%. em decorrência da desistência dos alunos porque famílias perderam renda e trabalho. A Vigilância Sanitária do Estado orientou os gestores de educação privada a respeito das medidas do protocolo de biossegurança do Comitê Acre sem Covid para o retorno das aulas presenciais, conforme autorização do Decreto 7.225/2020. O protocolo destaca que o retorno é opcional tanto para gestores de escolas como para os pais de alunos.

O gerente da Vigilância Sanitária Adwagner Prado informou que os gestores passaram por um curso de capacitações para a retoma do ano letivo. Esclareceu que o retorno será gradativo, mas à medida em que os alunos voltem às aulas, o estabelecimento de ensino deve oferecer equipe suficiente para realizar a fiscalização e limpeza do local. Recomendou que “a escola busque parcerias com unidades de saúde, porque se algum aluno apresentar os sintomas da doença (covid-19), ele deve procurar imediatamente a unidade mais próxima para começar o tratamento.

Capacidade

O promotor de Justiça da Coordenadoria da Saúde do Ministério Público Estadual (MP), Glaucio Oshiro informou que uma sala de aula com capacidade de 30 alunos, só poderá atender apenas 10 alunos (um terço) com as aulas presenciais. “Essa estratégia é para manter esse controle, evitar o contágio e para que as instituições não sejam fechadas”, observou.

De acordo com a legislação vigente, nesta primeira fase será permitido o retorno das aulas presenciais aos alunos de 5º ao 9º do ensino fundamental, do 3º ano do ensino médio, inclusive as atividades da educação infantil, creches, alunos com vulnerabilidades ou com dificuldade de aprendizagem e/ou acesso ao ensino remoto/EAD e atividades práticas laboratoriais do ensino superior.

Para retorno das aulas presenciais, os donos de escolas privadas estão sujeitos à obrigatoriedade das regulamenta-ções e protocolos sanitários. Estipular um calendário alternado em dias ou turnos para atendimento presencial dos estudantes, em grupos, mas sempre respeitado o distanciamento de 1,5 m (um metro e meio) entre carteiras, em todas as direções (anterior, posterior e laterais). Além de manter os estudantes e professores em pequenos grupos fixos que não se misturem, através de “bolhas”, “cápsulas”, “círculos, e “esquadrões seguros”, conforme Resolução 209/2020 do Conselho Estadual de Educação (CEE).