Ex-presidente do Depasa Tião Fonseca vai preso acusado de corrupção

Cezar Negreiros

O delegado-geral da Polícia Civil do Acre (PC-AC) Josemar Moreira Portes, acompanhado do coordenador da Delegacia de Combate a Corrupção (DECOR) Alcino Ferreira Junior, fizeram um balanço positivo do resultado da operação “Toque de Caixa”  que culminou com a prisão do ex-diretor do Departamento Estadual de Água e Saneamento (Depasa), Tião Fonseca e da empresária Delba Nunes Bucar, proprietária da empresa Bucar Engenharia e Metrologia Eirelli, que tinha recebido indevidamente do Departamento de Finança da autarquia a quantia de R$ 500 mil.   Durante a ação ocorrida nas primeiras horas do dia de ontem os policias deram cumprimento aos dois mandados de prisão temporária do casal e quatro mandados de busca e apreensão, inclusive na residência do ex-diretor financeiro Edson Bittar e na sede do Depasa.

O delegado-geral Josemar declarou que há dois meses que começou o processo investigatório, com apoio do  Controladoria – Geral do Estado (CGE), o Grupo Especial e Combate à Corrupção (Gaeco) do Ministério Público Estadual (MPAC) e a Delegacia de Combate à Corrupção e aos Crimes contra a Ordem Tributária e Financeira (Decor), mas que as provas levantadas são robustas por conta das ilegalidades cometidas. A medida cautelar concedida pelo magistrado Clóvis Augusto Alves Cabral Ferreira, responsável pela 4ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco, permitirá concluir o inquérito policial e identificar a participação de cada gestor no esquema que desviou os recursos destinados a aquisição de produtos químicos para serem usados na Estação de Tratamento de Água da Sobral (ETA-Sobral).  “As investigações estão bastante avançadas e tem como objetivo a recuperação de ativos, bloqueio de contas dos envolvidos no esquema e acesso as informações no setor de finanças do Depasa”, revelou a autoridade policial.

O delegado Alcino Junior, responsável do Decor, informou que a prisão temporária ficou restrita ao ex-presidente da autarquia e a empresária, mas que os documentos apreendidos durante a operação “Toque de Caixa” apontará o envolvimento de cada um no esquema que resultou no desvio de meio milhão de reais.

 “Existe uma situação de pagamento irregular feito a uma determinada empresa que tinha vínculo com os ex-gestores do Depasa, os bloqueios de contas bancárias e apreensão de bens para ressarcir os prejuízos cometidos”, destacou o delegado do caso.

Alcino declarou que foram apreendidos materiais, mídia, documentos, tanto na casa dos alvos como também na sede do Depasa, para montar o quebra-cabeça do esquema criminoso. Antecipou que foi feita a recuperação de arquivos, bloqueado contas bancárias, indisponibilidade de bens dos suspeitos investigados na operação, mas a palavra final caberá ao Judiciário Acreano, mas evitou falar em valores confiscados.

“As medidas cautelares têm como norte complementar a investigação em curso e fazer com que outras provas levantadas para fundamentar o processo”, observou o delegado do DECOR.

Os advogados Rodrigo Aiache e Keldheky Maia devem ingressar com um pedido de Habeas corpus no Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC) pedindo a relaxamento da prisão do casal.   “Entendemos que a prisão temporária decretada não preenche os requisitos legais”, declarou um dos advogados de defesa. Pesa contra o casal, a acusação de desvios de R$ 561.853,06 para a empresa Bucar Engenharia.

Transtornos – O diretor presidente do Depasa Luiz Felipe Aragão, emitiu uma nota informando que a atual diretoria da autarquia  apoia o combate à corrupção e que está à disposição para prestar qualquer tipo de esclarecimento que porventura sejam solicitadas pelas autoridades competentes.  Desde o mês passado que o ex-diretor Tião Fonseca foi exonerado pelo governador Gladson Cameli, depois de quase 100 dias no comando da empresa pública responsável pela distribuição de água tratada nos municípios acreanos. Por conta do desvio dos recursos, vários bairros da capital acreana ficaram sem água tratada. O desabastecimento terminou num princípio de rebelião no Complexo Penitenciário Francisco D’ Oliveira Conde que terminou com mais de 50 presos feridos que precisaram de atendimento na UPA da Sobral e os casos mais graves os detentos precisaram de internação no Pronto-Socorro do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).