Filho de Bolsonaro engana internautas ao dizer que ponte que liga RO e AC é obra do pai

Reportagem Por Felipe Corona

Em postagem feita nesta quinta-feira (06), no Instagram e no Twitter, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho mais novo do presidente Jair Bolsonaro, induziu os internautas ao erro ao dizer que o pai era idealizador da obra da ponte que vai ligar Rondônia ao Acre. “50 anos depois, o governo @jairbolsonaro constrói a ponte sobre o Rio Madeira ligando Acre a Rondônia. A ponte do Abunã será entregue até o fim deste ano 2020. Via @Marceloscf2 (@MInfraestrutura @tarcisiogdf / @govbr / @planalto)”, aponta o texto incorporado abaixo.

A publicação é acompanhada de um vídeo produzido por motoqueiros acreanos que subiram a ponte e dizem que estão emocionados. “Olha lá a balsona. Em cima da ponte. Olha aí João, vocês de Porto Velho ainda não subiu a ponte. Nós do Acre já chegamos. Tamo emocionado. Eu tô todo se tremendo (sic)”, disse o autor da gravação, que ainda não foi identificado.

Erro grave

A obra teve início em 2014, ainda no governo de Dilma Rousseff (PT). Em dezembro de 2018, um mês antes de Jair Bolsonaro assumir a presidência, as obras da ponte sobre já estavam 85% concluídas. A publicação ainda dá a entender que o projeto já está finalizado, mas a previsão de entrega é para o fim deste ano.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), vinculado ao Ministério da Infraestrutura, afirmou ao UOL que não está autorizada a passagem de veículos.

Ponte do Abunã

O projeto da ponte começou ainda no governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2014. Em março daquele ano, ela anunciou o plano de construção durante uma visita ao Acre. O estado sofria os impactos de uma cheia do rio Madeira, que deixou a BR-364 inundada.

A rodovia é a única ligação terrestre do estado com Rondônia. A construção da ponte teve início com os recursos vindos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e tinha entrega prevista para 2017, com investimento inicial de R$ 128 milhões. As datas de conclusão, no entanto, sofreram mais de uma alteração, passando pelas gestões Dilma, Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (sem partido).

Participação de Bolsonaro

Em dezembro de 2018, um mês antes de Jair Bolsonaro assumir a presidência, 85% das obras da ponte sobre o rio Madeira já estavam terminadas. “Até março será finalizada a parte de concreto. Até agosto de 2019, a gente irá finalizar os encabeçamentos”, disse o então superintendente do DNIT-RO, Cláudio André Neves.

Em reportagem de 05 de junho de 2019, uma TV local registrou que o Ministério da Infraestrutura havia dado garantias ao DNIT em relação aos recursos para a conclusão da obra. Naquele momento, o prazo de entrega era final de 2019 e os trabalhos estavam 95% concluídos. O anúncio foi feito pelo ministro Tarcísio Gomes em agosto do ano passado.

Atuação de Carlos

Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro, mas passa mais tempo em Brasília do que na capital fluminense. Segundo um levantamento feito pelo UOL, não apresentou nenhum projeto de lei na Câmara Municipal até agora neste ano, último de seu atual mandato como vereador.

Em outros quesitos disponíveis para consulta no site da Câmara do Rio, o vereador também apresenta uma atuação discreta. A baixa produção legislativa acontece ao mesmo tempo em que o foco do deputado está em Brasília, na defesa do mandato do pai, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Neste ano, o vereador ganhou uma sala no Palácio do Planalto, mesmo sem exercer oficialmente nenhuma função no governo.

Segundo informações de investigações da CPI das Fake News, do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, Carlos Bolsonaro seria o idealizador/coordenador do chamado “gabinete do ódio”, que supostamente ataca nas redes sociais os adversários políticos e críticos da atuação de Jair Bolsonaro e seus filhos.

*Reportagem com informações do UOL.