Governo acolhe pacientes amazonenses que precisam de UTI

O secretário estadual de Saúde, Alysson Bestene, informou no dia de ontem que dois pacientes amazonenses com covid-19 deram entrada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) dos hospitais de campanha de Rio Branco e Cruzeiro do Sul. Destacou que Hospital Geral do Juruá (no município de Cruzeiro do Sul) deve abrigar os novos pacientes que podem chegar a qualquer momento ao Estado.

Devido ao colapso no sistema de saúde pública e falta de cilindro de oxigênio para socorrer os pacientes que precisam ser entubados, as aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) estão transportando esses pacientes para outros Estados que estão com a pandemia controlada. “Acolhemos um médico aqui na capital que veio da cidade de Tabatinga [no interior] e outro paciente que foi encaminhado para o hospital de campanha de Cruzeiro do Sul”, revelou.

O gestor admitiu que 10 leitos de UTI na região do Vale do Juruá devem ser reservados para atender os pacientes do Amazonas que precisam de entubação. Alisson informou que continuam as tratativas com o governo do Amazonas para que possa auxiliá-los nesta hora de colapso do sistema de saúde pública. “Estamos em contato com a Secretaria Estadual do Amazonas, que nos pediu apoio”, declarou, em entrevista concedida a uma emissora de televisão.

Revelou que a Sesacre tem leitos de UTI disponíveis nos hospitais de campanha, mas precisa de insumos e pessoal para ampliar a sua rede de atendimento. Acrescentou ainda, que o governador Gladson Cameli pediu que a secretaria desse o apoio necessário ao Estado vizinho. “Temos uma estrutura física e equipamentos para acolher os pacientes amazonenses, nos falta mais profissionais de saúde insumos para dar esse suporte à Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas”, declarou.

Citou que contam com leitos ociosos no Hospital Geral do Juruá e no Hospital Geral de Brasiléia, caso venham registrar novas internações por causa da Covid-19. Apesar dos 65 leitos de UTI nas unidades dos hospitais mantidas pelo SUS, pelo menos 41 estão ocupadas, que corresponde por uma taxa de 63%. A capital acreana responde por 55 leitos de UTI, enquanto em Cruzeiro do Sul apenas 10 leitos.