Governo defende a pasteurização para melhorar qualidade do açaí

Para intensificar a importância da higienização do açaí antes da extração do suco da fruta, o governo inicia nesta quarta-feira, 12, um plano de ação estratégica que, entre outras atividades, promoverá a capacitação dos produtores de açaí do Estado.

secom_acre_gm13221322-1-580x387

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 10, na Casa Civil, o governo do Estado esclareceu a real situação do açaí no Acre e defendeu a pasteurização do produto, que deve se iniciar em Feijó, nos próximos dias.

Há dois processos que podem garantir a qualidade do açaí sem riscos ao consumo humano: o branqueamento ou a pasteurização.

A Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) fará a capacitação reforçando a importância do branqueamento, que consiste na limpeza do fruto utilizando a imersão na água com hipoclorito de sódio, seguida por imersão, durante 10 minutos, em água fervente a 80°C e, em seguida, imersão em água fria. Esse choque térmico elimina os agentes patogênicos, como o barbeiro.

O governo do Estado elabora uma proposta para pôr em prática um projeto a fim de viabilizar a pasteurização do açaí produzido pelos pequenos agricultores.

O governador Tião Viana, ainda como senador da República, apresentou projeto de lei defendendo essa padronização em nível nacional, mas que foi vetado após interferência de parlamentares do Estado do Pará.

Açaí de Feijó

Segundo a gestão, o caso de pessoas diagnosticadas com doença de Chagas devido ao consumo de açaí foi um fato isolado, mas requer atenção e acompanhamento necessários.

“Tivemos um caso envolvendo 15 pessoas de uma mesma família que foram diagnosticadas com doença de Chagas. Ocorre que essa família colheu o açaí e bateu o fruto sem a devida higienização. A Secretaria de Estado de Saúde, ao ser notificada, fez as análises e constatou os casos isolados na região de Feijó. Existem cerca de 250 produtores naquela região. Desse universo, cinco apresentaram contaminação. Seria irresponsável de nossa parte concluir que toda a produção daquelas famílias está contaminada”, explicou o secretário de Saúde Gemil de Abreu Júnior.

Papel do governo federal

Os gestores do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) e da Seaprof ressaltaram que cabe ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a fiscalização no processo de industrialização e beneficiamento do suco de açaí.

“O governo do Acre, por meio da Sesacre, da Seaprof e do Idaf, fará nova ação com os produtores, para reforçar a importância das boas práticas no manuseio da fruta”, destacou o titular da Seaprof, Lourival Marques.