Governo traça plano de flexibilização mas descarta reabertura do comércio na terça-feira

O governador Gladson Cameli acompanhado do secretário de Planejamento, coronel Ricardo Brandão realizou na tarde desta sexta-feira, 12 uma reunião virtual com a classe empresarial, prefeitos e membros do judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas para debater a reabertura das atividades comerciais no estado. O governo apresentou  o “Plano de Convívio Sem Covid-19″, com as normas que serão usadas para flexibilizar o decreto de isolamento social, com regras rígidas para que os índices da pandemia não se descontrolem.

Cores

O secretário de Planejamento, coronel Ricardo Brandão disse que o plano definiu alguns critérios básicos com foco primário voltado para o controle e redução de novos casos instituindo índices para novos casos positivos, a quantidade de testagens, a quantidade de internações e a quantidade de óbitos. Este conjunto de dados servirão de parâmetros se avaliar o índice desejado de isolamento social e o que pode ser flexibilizado, em acordo com os prefeits. “A ideia é que Estado e municípios falem a mesma língua e adotem as mesmas medidas”, disse o secretário.

O plano prevê uma escala de cenários marcados com as cores vermelha, laranja, amarela e verde, em progressão. Por meio delas, vai se definir como cada região do Estado deve se comportar. Brandão relatou que atualmente todo o Estado está na zona vermelha e que a previsão é que, de forma decrescente, os níveis de cores podem se alterar e as atividades comerciais poderão retornar. De acordo com o governo, essas cores significam o estágio da pandemia em cada região do Estado.

“As fases mudarão à medida que for mudada a transmissibilidade do vírus e de disponibilidade de estrutura de saúde e de testes. Para cada uma dessas fases serão autuados um conjunto de estabelecimentos empresariais que poderão funcionar e como estamos na fase da construção do plano, nesta semana e na próxima, nós iremos nos reunir com o pessoal da área empresarial para apresentar o cronograma”, explicou o secretário.

Para o secretário o ideal é ter uma estratégia que permita um ponto de equilíbrio entre os interesses do Estado, com foco na saúde e com foco na economia. “Nós chegamos num estágio de contaminação que chama a atenção e que requer uma postura diferenciada do poder público. Nesse sentido, temos que ter um planejamento que faça e reflita os anseios da sociedade, reflita os conceitos da coletividade no que tange na manutenção de um estado de saúde adequado, mas que também tenha um olhar voltado para a situação da economia, para a situação das atividades empresariais como um todo”,

Com base nesse entendimento, o secretário descartou a possibilidade de reabertura do cmércio a parir de segunda-feira. “Observando o cenário que temos no momento e fazendo um ensaio com a metodologia, a gente percebe que até segunda-feira não existe ambiente de reabertura”. Na semana que vem após as reuniões com todos os segmentos envolvidos traçaremos as perspectivas, mas atentos ao pico de aumento dos casos, infelizmente e baseando em dados científicos, não existe parâmetro para liberação na semana que vem”, enfatizou o secretário Coronel Ricardo Brandão.