Manaus tem nova explosão com mil casos de COVID e 18 mortes em dois dias

Manaus registrou nas últimas 24 horas 1.050 novos casos de Covid-19. O Boletim Diário da doença mostrando nova explosão de casos na capital amazonense, foi divulgado ontem (27) horas depois do governador Wilson Lima anunciar a renovação do decreto emergencial que proíbe o funcionamento de bares, praias e flutuantes, além da ampliação de leitos na rede estadual de saúde. A situação pode piorar ainda mais nos próximos dias, o que provocou as medidas de isolamento. Conforme o boletim, foram confirmados 18 óbitos por Covid-19, sendo sete ocorridos na segunda-feira (26) e 11 óbitos diagnosticados por sintomas clínicos

Dos 1050 casos, 970 foram detectados por testes rápidos, que identificam os anticorpos, sendo a maioria dos casos antigos que podem ter ocorrido no pico da pandemia, com data de início dos sintomas entre, pelo menos, oito e 180 dias ou mais das primeiras manifestações da doença.

Outros 80 foram detectados por RT-PCR, que aponta casos novos entre o 3º e o 6º dias da doença. Com os novos números, o Amazonas tem agora, no total,158.718 casos da doença. Destes, 61.912 são de Manaus (39,01%) e 96.806 do interior do estado (60,99%).

O Estado registra 4.478 mortes causadas pelo vírus. O boletim acrescenta ainda que 18.864 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão sendo acompanhadas, o que corresponde a 11,89% dos casos confirmados ativos. 360 pacientes estão internados na rede de saúde, sendo 249 em leitos clínicos (46 na rede privada e 203 na rede pública), 97 em UTI (51 na rede privada e 46 na rede pública) e 14 em sala vermelha na rede pública. Há ainda outros 50 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 33 estão em leitos clínicos (19 na rede privada e 14 na rede pública), 17 estão em UTI (12 na rede privada e cinco na rede pública).

Decreto

O governador Wilson Lima e o Comitê de Enfrentamento da Covid-19, do Governo do Amazonas aprovaram a prorrogação do Decreto nº 42.794/2020, que suspende, por mais 30 dias, o acesso às áreas de praias para recreação e o funcionamento de balneários, flutuantes e bares. Wilson Lima anunciou ainda a chegada de 60 respiradores enviados pelo Ministério da Saúde, além de monitores e medicamentos, e a contratação temporária, pelo Governo do Estado, de mais 85 técnicos de enfermagem para reforçar a rede estadual de assistência.

Segunda onda de Covid no Amazonas pode chegar ao Acre

O recrudescimento dos casos de Covis no Amazonas põe o Acre em alerta. O descumprimento das medidas de prevenção e isolamento social, mesmo com a diminuição das restrições na bandeira amarela podem ter impacto na maior incidência da doença.

As regras de limitação de atividades, de aglomeração foram abrandadas, mas ainda persistem recomendações e exigências que vêm sendo negligenciadas. Especialmente nos bares, restaurantes, eventos públicos, cultos e na campanha eleitoral, a aglomeração de pessoas é um fator de risco.

Caiu muito a taxa de recolhimento domiciliar, de home office e aumentou o número de pessoas que andam sem máscaras. Candidatos e campanhas eleitorais são grandes responsáveis por burlar o ordenamento dos decretos da pandemia.

O comitê da COVID não descarta um novo surto, que pode atingir o pico em até noventa dias, no estado, obrigando um novo fechamento das atividades e regras mais rígidas de isolamento social.