Motoristas de veículos pesados precisam fazer teste

Motoristas-de-veículos-pesados-precisam-fazer-teste-copy-300x225Desde a última quarta-feira (02) da semana passada entrou em vigor, em todo o Brasil, a resolução 517, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que obriga motoristas que vão fazer habilitação, renovar ou mudar nas categorias C, D e E, a fazerem exames que comprovem que eles não fizeram uso de drogas nos últimos três meses. A resolução tem o objetivo de impedir que motoristas que fazem uso de drogas possam dirigir veículos pesados.

Somente em 2012 foram registradas mais de 60 mil mortes nas estradas federais. De acordo com o Contran, no País, mais de 13 milhões de motoristas serão fiscalizados pela nova medida. Um terço desse quantitativo é composto por caminhoneiros autônomos.

O exame, custa em média R$ 371. O resultado fica pronto entre 20 e 30 dias, e podem ser conferidos pelas clínicas brasileiras através da Internet.

No Brasil, por ano, o Contran estima que pelo menos 2,4 milhões de exames deverão ser feitos. Apesar de o acréscimo ser um pouco “salgado”, o motorista de carreta Joelsom da Silva, que está mudando sua habilitação da categoria D para a E, aprova a decisão imposta. “Eu viajo pelo Brasil há pelo menos oito anos, e sempre me deparei com acidentes que, em alguns casos, foram provocados por motoristas que estavam há vários dias dirigindo sem dormir, regados por algum tipo de droga. Essa medida vai contribuir com certeza para a diminuição dos acidentes”, opinou.

EXPLICAÇÃO

Cláudio Góes, proprietário de uma Autoescola, acredita que a ideia de diminuir os acidentes através dessa medida é muito boa, contudo, ela poderia funcionar de maneira mais eficientes se houvesse um meio de fazer uma fiscalização constante, pois a renovação da habilitação é feita a cada quatro anos. “A grande preocupação é com quem já está dirigindo e que, muitas das vezes, se ve na obrigação de usar drogas para poder aumentar sua resistência física e poder trabalhar por mais tempo. Se houvesse um meio de estar de olho nesse pessoal, penso que seria ainda mais eficiente”, disse.